Ilha açoriana do Pico inicia em 2018 recolha de resíduos porta-a-porta

Ilha açoriana do Pico inicia em 2018 recolha de resíduos porta-a-porta

 

LUSA/AO Online   Regional   11 de Nov de 2017, 14:38

A Associação de Municípios do Pico, Açores, inicia em 2018 a recolha de resíduos recicláveis porta-a-porta, para obter melhores resultados nesta área e sensibilizar os cerca de 15 mil habitantes da ilha para a separação de lixo.

“A recolha seletiva estava já implementada na ilha, mas não na modalidade de porta-a-porta. Atendendo a que as taxas de recolha seletiva não são consideradas satisfatórias, temos de reestruturar este modelo integrado de gestão de resíduos”, disse hoje o presidente da Associação de Municípios da Ilha do Pico, Mark Silveira, recentemente eleito. A Associação de Municípios reúne as três autarquias da ilha, Lajes, Madalena e São Roque. Em declarações à Lusa, Mark Silveira, que é também o presidente da Câmara de São Roque do Pico, referiu que o projeto de recolha de porta-a-porta "será implementado por etapas e o modelo será ajustado consoante as necessidades e em função dos resultados obtidos". “Entendemos que com este tipo de recolha vamos obter muito melhores resultados em termos da taxa de resíduos recicláveis recolhidos e o sistema irá sensibilizar muito mais os habitantes”, declarou, referindo que a iniciativa contempla a aquisição de três novos camiões de recolha. Por outro lado, serão adquiridas unidades contentorizadas individuais, a distribuir por cada domicílio, num investimento de cerca de um milhão de euros que a associação pretende candidatar a fundos comunitários para a comparticipação. O Pico tem cerca de 15 mil habitantes e, segundo o presidente da Associação de Municípios, a recolha deverá abranger as cerca de cinco mil habitações da ilha. Mark Silveira adiantou também que a associação vai iniciar uma campanha de desratização em zonas urbanas da ilha. Outro dos objetivos do recém-eleito presidente da associação passa pela “aquisição de uma viatura específica para emergência pré-hospitalar com suporte imediato de vida”, sendo que a sua utilização deverá ser protocolada com o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores. O Pico já tem uma viatura semelhante, mas carece de mais um equipamento destes atendendo a dimensão da ilha, a segunda maior em área depois de São Miguel. Mark Silveira garantiu ainda que o organismo "estará sempre atento às questões de acessibilidade e transportes aéreos e marítimos" para a ilha, uma das cinco que fazem parte do grupo central do arquipélago.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.