Grupo extremista Estado Islâmico executa 17 pessoas em Palmyra


 

Lusa/AO Online   Internacional   21 de Mai de 2015, 19:55

Pelo menos 17 pessoas foram hoje executadas por apoiantes do grupo extremista Estado Islâmico após a tomada da cidade síria de Palmyra, disse uma organização de defesa dos direitos humanos.

“O Estado Islâmico executou 17 pessoas, incluindo civis e apoiantes das autoridades. Pelo menos quatro deles foram decapitados”, disse Rami Abdel Rahman, diretor do grupo de monitorização do Observatório dos Direitos Humanos sírio.

Segundo o ativista dos direitos humanos, as pessoas foram mortas por trabalharem para o regime.

Um outro ativista sírio citado pela agência noticiosa AFP disse que os elementos do grupo Estado Islâmico ordenaram às pessoas para ficarem em casa.

“Estão a impedir as pessoas de abandonarem as suas casas e a revistar as habitações para encontrar elementos leais ao regime”, disse Mohammad Hassan al-Hosmi.

Mohammad Hassan al-Hosmi disse também ter falado com pessoas em Palmyra que queriam abandonar a cidade, mas que estão com medo de o fazer depois de terem sabido das execuções, especialmente das decapitações.

Segundo o Observatório, pelo menos 460 pessoas foram mortas em Palmyra desde 13 de maio, incluindo nove crianças.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.