Grupo CGD rejeita acusações do sindicato

Grupo CGD rejeita acusações do sindicato

 

Lusa/AO Online   Economia   11 de Jun de 2010, 11:44

A greve dos trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) levou ao encerramento de 59 balcões, segundo dados divulgados por fonte oficial do grupo, que rejeitou as acusações de “pressões e esquemas” lançadas pelo sindicato.

“Dos 848 balcões da CGD espalhados pelo país, 59 encontram-se encerrados e apenas um é da região de Lisboa”, assegurou à Lusa a mesma fonte, adiantando que a incidência de balcões com as portas fechadas ao público regista-se na região sul.

A greve que hoje está a decorrer foi organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC), que não conta com o apoio dos sindicatos dos bancários filiados na União Geral de Trabalhadores (UGT), que aceitaram a proposta do Governo relativamente ao aumento dos salários dos funcionários da CGD em um por cento.

O presidente da Direcção do STEC, João Lopes, justifica a realização da greve com o facto do grupo “estar a ser usado para tudo o que é crise neste país”, o “valor insuficiente” da proposta salarial apresentada pelo Executivo, questões relacionadas com a repartição de lucros e recusa das propostas feitas pelo sindicato.

Em declarações à Lusa, João Lopes acusa ainda a administração do grupo CGD de ter exercido “pressões e esquemas” para dissuadir os trabalhadores de aderir à greve de hoje, nomeadamente “ao chamar pessoas que estavam de férias” e “ao ameaçar os trabalhadores com contratos a termo”.

Uma situação que fonte oficial da CGD desmente, sublinhando que tais recursos “não fazem parte do ADN do grupo” e que “2793 trabalhadores estão hoje de férias”, as quais tinham já sido agendadas “há muito tempo”.

Sobre a taxa de adesão à greve organizada pelo STEC, a mesma fonte refere que foram contabilizados 779 grevistas, num universo de 11 mil trabalhadores da CGD.

Ainda segundo este grupo, existem cerca de 3500 trabalhadores da CGD filiados no STEC, o que significa uma adesão à greve “na ordem dos 19 por cento”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.