Greve dos vigilantes e seguranças começa com adesão nos transportes de valores


 

Lusa/AO Online   Nacional   27 de Out de 2016, 07:38

A adesão à greve de 24 horas dos vigilantes e seguranças aproxima-se dos 90 por cento no subsetor dos transportes e valores, em Lisboa e no Porto, disse hoje à Lusa o dirigente sindical Carlos Trindade.

 

“A greve começou à meia-noite mas só a partir do meio da manhã é que vai ser possível apurarmos a adesão. Mesmo assim, nos transportes de valores, a greve aproxima-se já dos 90 por cento no Porto e Lisboa, nas principais empresas”, disse à Lusa o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpezas Domésticas e Atividades Diversas (STAD).

Carlos Trindade adiantou que a “adesão nos comboios, sobretudo nas linhas de Cascais e de Sintra, assim como nos centros comerciais só se vai sentir a partir do meio da manhã”.

De acordo com o sindicalista, o “grande impacto da greve vai registar-se às 14:30 na Associação das Empresas de Segurança, em Lisboa, e o desfile para a Assembleia da República previsto para as 16 horas”.

Os Trabalhadores de Serviços de Segurança e Vigilância, que estão em greve às horas extraordinárias e aos feriados desde o dia 22 e até 06 de novembro, reivindicam a revisão do contrato coletivo de trabalho, consignando os direitos em vigor e outros específicos para os trabalhadores que prestam serviço nos aeroportos ou nos transportes de valores, entre outros.

O aumento dos salários e a melhoria das condições de trabalho são outras das reivindicações na origem do conflito.

O setor dos vigilantes e seguranças privados emprega cerca de 35.000 pessoas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.