Greve dos professores mantém-se amanhã

Nacional /

805 visualizações   

A FNE decidiu manter a convocação da greve de professores de quarta-feira, uma vez que, e à semelhança da Fenprof, considera as respostas dadas pela tutela na reunião de segunda-feira insuficientes face às reivindicações sindicais.
 

 

“Neste momento aquilo que trazemos desta reunião não é suficiente para que possamos estar a decidir sobre a desconvocação da greve. As respostas que recebemos hoje do Ministério da Educação (ME) continuam a ser insuficientes, porque pouco acrescentam ao que foi o documento que nos foi enviado na passada sexta-feira”, disse o secretário-geral da Federação Nacional de Educação (FNE) aos jornalistas à saída da reunião com a tutela, já depois da meia-noite.

O ME convocou os sindicatos para um encontro ao final do dia, depois de as estruturas terem pedido reuniões urgentes para discutir as reivindicações na base da greve marcada para dia 21, quarta-feira.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reuniu-se primeiro com o ministro, Tiago Brandão Rodrigues, e com a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, tendo saído do encontro já perto das 22:00 e também sem garantias que permitissem desconvocar a paralisação da próxima quarta-feira.

Dias da Silva disse que existe do lado da FNE “disponibilidade para prosseguir ainda o diálogo” e que hoje, véspera da greve, será entregue ao ME um novo documento na tentativa de “construir uma aproximação” de posições.

O líder da FNE disse que é fundamental que os professores “sintam que no próximo ano letivo vai haver mudanças concretas e que na organização dessas mudanças há o contributo das organizações sindicais”, referindo que há matérias na proposta do ME “insuficientemente precisas” que precisam de “ser clarificadas para que as pessoas sintam que têm respostas concretas”.

“Não basta saber hoje que vai haver uma circular sobre a organização do trabalho dos professores em componente letiva ou componente não letiva. Temos de saber concretamente em que consiste e quais são os seus limites. Não podemos continuar a ter professores a ter que trabalhar obrigatoriamente nas suas escolas 45 ou 50 horas”, exemplificou.

Outras questões fundamentais para a FNE são o desgaste profissional, o regime de aposentação, as futuras vinculações de professores e o efetivo descongelamento das carreiras já em 2018.

Questionado sobre a possibilidade de um acordo satisfatório a 24 horas da greve, Dias da Silva recusou pressões temporais para resolver os problemas dos docentes.

“Nós não estamos numa corrida. Estamos à procura de soluções. Se não for amanhã, entendemos que nos próximos dias, antes do próximo ano letivo, seja possível encontrar respostas para aquilo que são as condições de trabalho dos profissionais de educação”, disse.

O Ministério da Educação garantiu estarem reunidas as condições para que os exames nacionais e as provas de aferição se realizem dentro da "necessária normalidade" com a fixação dos serviços mínimos para a greve dos professores.

FNE e Fenprof anunciaram a greve de professores para 21 de junho, depois de não terem conseguido obter do Governo garantias quanto às suas reivindicações.

Para o dia da greve estão agendadas provas de aferição de Matemática e Estudo do Meio do 2.º ano de escolaridade e exames nacionais do 11.º ano às disciplinas de Física e Química A (uma das provas com maior número de inscritos), Geografia A e História da Cultura e das Artes.