Graciosa quer estudo sobre números "negativos" do turismo na ilha

Graciosa quer estudo sobre números "negativos" do turismo na ilha

 

AOnline/LUSA   Regional   6 de Set de 2015, 12:11

O Conselho de Ilha da Graciosa vai propor esta semana ao Governo dos Açores, durante uma visita do executivo regional à ilha, a realização de um estudo que identifique as razões dos números "negativos" do turismo.

“As nossas reivindicações incidem muito sobre os números que têm sido divulgados sobre a realidade do turismo na Graciosa”, declarou à agência Lusa Carlos Brum, presidente do Conselho de Ilha.

O Governo dos Açores visita oficialmente, de segunda a quarta-feira, a Graciosa, no âmbito da disposição do Estatuto Político-Administrativo dos Açores, que determina a obrigatoriedade do executivo se deslocar uma vez por ano a todas as ilhas do arquipélago.

O presidente do Conselho de Ilha da Graciosa disse que no que concerne às "estadias" turísticas, a Graciosa tem registado números "negativos" este ano, em contraste com o que se está a verificar nas outras ilhas dos Açores.

“Estamos fartos de falar que temos maus horários de barcos e de aviões e que os preços são caros, mas é importante saber concretamente quais são os motivos que levam, de facto, a que a Graciosa não esteja a ser procurada pelos turistas”, sublinhou.

Para além do turismo, para o qual os conselheiros pedem “medidas urgentes” de promoção, desenvolvimento e sustentabilidade, segundo Carlos Brum, o Conselho de Ilha da Graciosa vai também reivindicar um conjunto de obras, entre as quais a estrada da Limeira-Porto Afonso, considerado um importante troço viário da ilha, que se encontra num “estado muito mau”.

“Esta obra já tinha sido lançada, mas entretanto nunca se realizou. Voltamos a reivindicar essa mesma obra, assim como o matadouro, algo que já foi mais do que anunciado”, declarou.

Da agenda da vista estatutária do Governo dos Açores à Graciosa consta, precisamente, a assinatura do contrato de empreitada da reabilitação desta estrada.

Quanto ao matadouro, de acordo com Carlos Brum, há cinco anos foi apresentada pelo Governo dos Açores uma proposta de remodelação do matadouro já existente, situado numa zona habitacional e com “poucas possibilidades” de ser melhorado.

“Com a aprovação da zona comercial e industrial da ilha propusemos que houvesse algum tempo de espera e que esse matadouro passasse para o novo espaço. Mas entretanto, nunca mais se fez o matadouro”, afirmou.

Durante esta visita à Graciosa, os membros do Governo Regional têm, como habitualmente, encontros com diversas entidades locais, visitas a instituições e projetos, uma reunião com o Conselho de Ilha e um momento reservado para receber a população.

Da agenda do presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, faz parte uma cerimónia de atribuição de apoios a reabilitação de habitações degradadas, uma visita ao lar de idosos de Santa Cruz da Graciosa e outra a uma exploração agrícola.

Vasco Cordeiro vai também à estação ARM - Atmospheric Radiation Measurement, "uma das duas infraestruturas científicas de alta tecnologia existentes na ilha Graciosa, onde assistirá ao lançamento de um balão meteorológico", segundo uma nota oficial.

A ilha Graciosa possui 4391 habitantes, de acordo com os Censos de 2011, sendo uma das mais pequenas dos Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.