Governo Regional assegura que conserveira Santa Catarina manterá fábrica em São Jorge

Governo Regional assegura que conserveira Santa Catarina manterá fábrica em São Jorge

 

Lusa/AO online   Regional   20 de Mar de 2018, 17:26

O vice-presidente do Governo Regional dos Açores assegurou esta terça-feira que a conserveira Santa Catarina, integrada na reestruturação anunciada pelo executivo sobre participações qualificadas, manterá a sua fábrica na Calheta, na ilha de São Jorge.

No caso da fábrica de Santa Catarina, uma conserveira que o Governo adquiriu em 2009 para evitar que encerrasse, a intenção do executivo açoriano é alienar agora a participação que a empresa de lotas dos Açores (Lotaçor) detém naquela unidade fabril.

"A manutenção da laboração da fábrica de conservas na Calheta" será garantida no caderno de encargos para a operação, concretizou hoje o vice-presidente do executivo, Sérgio Ávila, falando na Horta, na Assembleia Legislativa Regional dos Açores (ALRAA), num debate de urgência pedido pelo BE sobre o setor público empresarial da região.

Em fevereiro, soube-se que o Governo dos Açores vai reduzir a sua participação direta e indireta em empresas e associações no âmbito de uma reforma do setor público empresarial regional que inclui a extinção de empresas.

Na sua intervenção no plenário, Sérgio Ávila estimou que a região tenha terminado 2017 com uma dívida de 41,6% do Produto Interno Bruto (PIB), sublinhando ser "menos de metade" da média europeia.

É este valor real que garante a nossa sustentabilidade", declarou o governante.

Frisando que apenas no final do mês o Instituto Nacional de Estatística (INE) apresentará a globalidade dos dados de 2017, o vice-presidente do executivo açoriano valorizou as "responsabilidades futuras" deixadas pelo executivo com uma dívida pública de "menos de metade da média da União Europeia" e "menos de um terço daquilo que o país tem".

O indicador da dívida pública inclui, entre outros elementos, as contas das empresas do setor público.

Já no que refere ao défice, o "enorme esforço de consolidação das contas públicas" no arquipélago açoriano deverá representar uma quebra de 1,6% do PIB em 2016 para 1,4% em 2017.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.