Governo refuta acusações de discriminação nas ligações aéreas


 

Lusa/AO online   Regional   22 de Abr de 2015, 18:48

O diretor regional dos Transportes dos Açores disse que o novo modelo de ligações aéreas ao arquipélago prevê as mesmas regras para todas as ilhas, sem discriminação, refutando as acusações do líder do CDS-PP/Açores.

 "O modelo é igual em todas as ilhas, independentemente da 'gateway' [aeroporto com ligações para fora dos Açores]. O subsídio especial de mobilidade é para todos os açorianos, seja qual for a ilha que escolher [para] sair", declarou aos jornalistas Luís Quintanilha, em Ponta Delgada.

O diretor regional reagia desta forma às acusações de Artur Lima, do CDS-PP, que declarou que o Governo Regional discrimina os habitantes da ilha Terceira com o novo modelo de transporte aéreo, que entrou em vigor a 29 de março.

O dirigente do CDS/PP disse que a Terceira foi a única ilha prejudicada com o novo modelo de transportes, porque os passageiros já não conseguem chegar ao Porto no mesmo dia, com direito a reembolso.

Mesmo nas ligações com Lisboa os horários são piores, já que às segundas e quartas-feiras, por exemplo, não é possível sair da ilha com destino à capital de manhã, ainda de acordo com Artur Lima.

O diretor regional dos Transportes explicou que o subsídio de mobilidade social, que reembolsa os residentes nos Açores quando lhe cobram mais de 134 euros pelas viagens ao continente, aplica-se na ligação direta Terceira-Porto ou através de outra 'gateway', como é o caso de Ponta Delgada-Porto, havendo lugar a um reencaminhamento gratuito entre ilhas.

Luís Quintanilha, confrontado sobre a necessidade de um passageiro ter que dormir fora da sua ilha, declarou que, "na generalidade, existe conetividade quase diariamente".

No entanto, admitiu que ao sábado "poderá haver alguma dificuldade", tendo o passageiro, neste caso, de assegurar a pernoita, aconselhando-o Luís Quintanilha a "procurar sempre a melhor conetividade".

Artur Lima acusou ainda o executivo açoriano de ter dado dinheiro a duas companhias 'low cost' (Ryanair e easyJet) para iniciarem as rotas para Ponta Delgada, tendo Luís Quintanilha afirmado que estas acusações "são falsas", uma vez que "não há qualquer apoio nas ligações com o continente".

"A liberalização das 'gateways' da Terceira e Ponta Delgada regem-se pelas leis do mercado, com base na procura e na oferta. Não compete ao Governo Regional impor às companhias aéreas uma determinada operação para determinada ilha", declarou o governante.

Luís Quintanilha informou, por outro lado, que o Governo dos Açores ainda aguarda uma "posição formal" do secretário de Estado dos Transportes sobre os reembolsos aos passageiros residentes nas ilhas que adquiriram passagens aéreas para viajar depois do dia 29 de março antes desta data.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.