Governo lamenta perda de referência da prática cerâmica


 

Lusa/AO Online   Nacional   3 de Mai de 2016, 07:32

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, lamentou a morte do artista plástico Querubim Lapa, que considerou "um dos grandes artistas da terceira geração do modernismo português" e "uma das maiores referências da prática cerâmica".

 

“Fez parte do movimento neorrealista nos anos 40 e afirmou-se como uma das maiores referência da prática cerâmica, sem nunca abdicar do universo criativo da pintura”, refere, em comunicado, o ministro da Cultura.

No texto, o ministro sublinha que os painéis produzidos para vários locais públicos “ficam como legado de grande dimensão histórica e artística do século XX português”.

“O seu trabalho como artista teve ainda uma dimensão exemplar em matéria didática e pedagógica, tendo lecionado na escola António Arroio e ensinado várias gerações de artistas”, acrescentou.

O artista plástico Querubim Lapa morreu hoje aos 90, disse à agência Lusa fonte familiar.

Segundo a mesma fonte, o corpo vai estar em câmara ardente a partir das 17:00 de terça-feira na Basílica da Estrela, em Lisboa.

Arista multidisciplinar, Querubim Lapa destacou-se como um dos principais ceramistas portugueses, com destaque para os vários painéis de azulejo localizados em vários espaços públicos da capital portuguesa.

Os trabalhos podem ser vistos na pastelaria Mexicana, na reitoria da Universidade Lisboa, na Avenida 24 de Julho, na estação Bela Vista do Metropolitano de Lisboa e no Banco de Portugal, pelo qual ganhou o prémio de azulejaria da Câmara Municipal de Lisboa.

A 10 de junho de 2015, foi condecorado como Grande Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.