Governo investiga Associação da Terceira

Governo investiga Associação da Terceira

 

Lusa/Ao On line   Regional   19 de Out de 2010, 06:49

A diretora regional da Solidariedade e Segurança Social, Paula Ramos, confirmou hoje à Lusa que “está a decorrer um processo de averiguações” à Associação Cristã da Mocidade (ACM), originado por “denúncias graves” sobre a instituição, sedeada na Terceira, Açores.

“Recebemos denúncias anónimas que não podemos ignorar, mas também um relatório da Divisão de Acção Social de Angra do Heroísmo que levanta diversas questões e já motivou um ofício com recomendações para a ACM”, afirmou Paula Ramos.

As acusações em causa incluem intolerância para com os jovens deficientes, alteração das refeições recomendadas pela dietista e cortes nas verbas que os jovens deficientes recebem do programa ‘Emprego Protegido’, mas também a morte de patos por estrangulamento.

Contactado pela Lusa, Mário Silva, presidente da ACM, negou “todas as acusações”, que prometeu “rebater uma a uma”, acrescentado ter solicitado relatórios internos sobre o que considera serem “insinuações”.

O presidente da ACM frisou que “o desmentido será feito por todos os órgãos sociais da instituição”.

Nas declarações prestadas à Lusa, Paula Ramos confirmou que, “na sequência de uma auditoria à ACM foi elaborado um ofício com recomendações que indicam a necessidade de alterar comportamentos”.

Seguindo a diretora regional, “o documento contém matérias que motivam também o seu envio para a Inspecção Regional do Trabalho e para a Inspecção Regional das Actividades Económicas”.

Paula Ramos disse que “o processo de averiguações será realizado com todo o rigor, para apurar se as denuncias têm fundamento” e, consequentemente, quais as medidas a tomar.

“São tantas as queixas que temos de descascar caso a caso”, afirmou.

Lúcia Ormonde, mãe de um dos jovens deficientes que frequentam a ACM, confirmou à Lusa que o filho “esteve 18 meses sem receber o dinheiro” do programa ‘Emprego Protegido’, alegadamente, por “não querer trabalhar”.

A mãe do jovem rejeitou essa acusação “por não ser esse o feitio do rapaz”.

O programa ‘Emprego Protegido’ é dirigido a jovens com deficiência, aos quais o governo atribui uma verba mensal que completa a pensão até ao máximo do ordenado mínimo nacional.

Gilson Rocha, um dos jovens utentes da ACM, disse à Lusa ter assistido “à matança dos patos” e que os jovens foram “obrigados a comê-los”.

Michele Reis, técnica de Reabilitação e Reinserção Social, defendeu que “o presidente da ACM não promove a integração dos utentes”, acrescentando que “proibiu a saída (dos jovens) da instituição para almoçar fora, devidamente autorizados por escrito pelos pais, por não quererem almoçar o arroz de pato”.

Por seu lado, José Barcelos, monitor na instituição, confirmou à Lusa que “os jovens são obrigados a cortar lenha e a carregar blocos todo o dia”.

A ACM, sediada em Angra do Heroísmo, é uma instituição privada de solidariedade social que acolhe meia centena de jovens com deficiência com quem trabalha para promover a sua integração social.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.