Governo espanhol avança no sábado com suspensão da autonomia

Governo espanhol avança no sábado com suspensão da autonomia

 

Lusa/AO Online   Internacional   19 de Out de 2017, 09:33

O Governo espanhol convocou para este sábado uma reunião extraordinária para “continuar os trâmites previstos no artigo 155 da Constituição para restaurar a legalidade no autogoverno da Catalunha”.


Num comunicado enviado às redações, o gabinete do primeiro-ministro espanhol explica que, na reunião de sábado, irá tomar “as medidas que serão levadas ao senado [câmara alta] a fim de proteger os interesses gerais dos espanhóis, entre eles os dos cidadãos da Catalunha, e restaurar a ordem constitucional na Comunidade Autónoma”.

O presidente do Governo catalão insistiu hoje numa carta enviada para Madrid que “a suspensão [da declaração de independência] continua em vigor”, mas ameaça votar formalmente essa independência no parlamento regional se Madrid avançar com a suspensão da autonomia regional.

No comunicado, Madrid “constata” que hoje às 10:00 (09:00 em Lisboa), “o último prazo estabelecido”, o presidente da Generalitat (Governo regional) deu uma “negativa” ao requerimento em que se pedia para esclarecer “de forma clara e precisa” se alguma autoridade catalã tinha declarado a independência.

O executivo espanhol assegura que irá colocar “todos os meios que tem ao seu alcance para restaurar quanto antes a legalidade e a ordem constitucional, recuperar a convivência pacífica entre cidadãos e travar a deterioração económica” na Catalunha.

Na carta em que responde ao Governo espanhol, Carles Puigdemont sublinhava que, “se o Governo do Estado [espanhol] persiste em impedir o diálogo e continua a repressão”, o parlamento regional “poderá proceder, se estimar ser necessário, votar a declaração formal de independência que não votou no dia 10” de outubro.

Madrid tinha dado na segunda-feira uma “última oportunidade”, até as 10:00 (09:00 de Lisboa) de hoje, ao executivo catalão antes de ativar o artigo 155 da Constituição espanhola e “repor a legalidade” na comunidade autónoma da Catalunha.

Carles Puigdemont vem agora esclarecer que, aquando da sua ida em 10 de outubro último ao parlamento catalão, “não votou” nenhuma declaração de independência e sublinhar que a sua “suspensão continua em vigor”.

“Apesar de todos os nossos esforços e da nossa vontade de diálogo, tendo a única resposta sido a suspensão da autonomia, isso indica que não se está consciente do problema e que não se quer falar”, conclui Puigdemont na carta enviada no início da manhã.

Madrid deverá assim avançar no sábado com medidas que ainda não são conhecidas para aplicar o artigo 155 da Constituição espanhola e passar a assumir o controlo da Catalunha, uma situação inédita desde a transição democrática iniciada em 1977.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.