Governo dos Açores rejeita adquirir casa no Corvo onde nasceu editor de Pablo Neruda

Governo dos Açores rejeita adquirir casa no Corvo onde nasceu editor de Pablo Neruda

 

LUSA/AO online   Regional   12 de Jun de 2017, 16:31

O Governo dos Açores não vai adquirir a casa na ilha do Corvo onde nasceu Carlos Nascimento, o primeiro editor do poeta e Prémio Nobel Pablo Neruda, foi hoje anunciado

"Trata-se de uma habitação de família, ocupada sazonalmente e que não justifica, num horizonte próximo, a sua aquisição”, lê-se na resposta do executivo regional a um requerimento do deputado único do Partido Popular Monárquico, na Assembleia Legislativa.

No documento, Paulo Estêvão, parlamentar eleito pelo Corvo, a mais pequena ilha dos Açores, refere que, no contexto da elaboração do roteiro cultural sobre Carlos Nascimento, o anterior Governo Regional equacionou a aquisição da casa onde aquele nasceu, “no sentido de a integrar, como equipamento de apoio, num projeto de divulgação e promoção mais amplo” do editor de Pablo Neruda “e de muitos outros grandes nomes da literatura chilena, incluindo a também Prémio Nobel da Literatura Gabriela Mistral (1945)”.

No requerimento, Paulo Estêvão questionava o executivo açoriano, presidido pelo socialista Vasco Cordeiro, se mantinha o propósito de adquirir o imóvel em causa e de ampliar os mecanismos de divulgação e promoção de Carlos Nascimento.

Na resposta, o Governo Regional explica que o roteiro cultural de Manuel Carlos George Nascimento “destacou a casa identificada como sendo de seus pais e onde terá nascido”.

“Esta localização, resultado do teste à proposta de roteiro, feita pela população numa jornada pública a que acorreram muitos corvinos”, adianta o documento, disponibilizado no ‘site’ da Internet da Assembleia Legislativa Regional, em www.alra.pt.

Na resposta, o executivo açoriano adianta que “importa realçar que esta ação permitiu constatar a falta de consenso sobre a identificação da casa”, mas uma investigação posterior confirmou a opinião maioritária.

Segundo o Governo Regional, “o compromisso assumido é de individualizar a casa onde nasceu e que tal será feito, entre outras ações, e além do roteiro já elaborado, através de sinalização física e de referência nas museografias em execução para os diferentes polos do Ecomuseu”.

Carlos Nascimento, que nasceu em 1885, abandonou a ilha do Corvo ainda jovem, acabando por se transformar numa referência das letras chilenas do século XX.

Chegou ao Chile em busca de um tio, João Nascimento, dono da livraria Nascimento, espaço que mais tarde herdou e usou como rampa de lançamento da sua editora, que viria a publicar as primeiras obras do Nobel da Literatura de 1971, Pablo Neruda, nomeadamente a edição original de "Vinte poemas de amor e uma canção desesperada", publicada em 1924.

A relação entre Carlos Nascimento e Pablo Neruda foi mais do que profissional e prolongou-se “por muitos anos”, desde a juventude do poeta até à morte do editor, em Santiago do Chile, em 1966, segundo disse anteriormente à Lusa uma das netas do corvino, Leonor Nascimento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.