Governo dos Açores atribui 500 mil euros para recuperar habitações em São Miguel

Governo dos Açores atribui 500 mil euros para recuperar habitações em São Miguel

 

Lusa/AO Online   Regional   19 de Jan de 2018, 19:19

A secretária regional da Solidariedade Social dos Açores, Andreia Cardoso, assinou hoje contratos de atribuição de apoios à recuperação de habitação degradada, no valor de meio milhão de euros, com 39 famílias da ilha de São Miguel.

"Estes apoios distribuíram-se por muitas freguesias de São Miguel (...) e vêm beneficiar 129 pessoas", declarou Andreia Cardoso, falando no discurso da sessão de atribuição dos apoios que decorreu esta tarde em Ponta Delgada.

A governante lembrou ainda que o executivo açoriano "tem um programa de apoio à habitação degradada" que tem permitido direcionar "recursos financeiros bastante consideráveis".

"O Governo investiu já quatro milhões de euros no setor da habitação, nos vários apoios que são atribuídos, a que, se somarmos os valores de hoje, estamos a falar em 4,5 milhões de euros", revelou a governante, referindo-se ao primeiro ano de mandato desde as eleições regionais que decorreram em outubro de 2016.

A secretária regional da Solidariedade Social nos Açores adiantou ainda que, para o ano de 2018, estão reservados "cerca de 22 milhões de euros" para a Direção Regional da Habitação.

"É um plano de investimentos de cerca de 22 milhões de euros que vamos investindo ao longo do ano, maioritariamente destinado ao apoio às famílias, seja no incentivo ao arrendamento, como também na recuperação de habitação degradada", disse.

Andreia Cardoso lembra que os apoios em causa servem para comparticipar "obras que têm como grande objetivo garantir as condições de segurança e salubridade" nas habitações das famílias.

"Entendemos que é realmente importante que as pessoas se mantenham nos seus locais habituais de residência e há também outro propósito que tem a ver que estas pequenas obras permitiram dinamizar o mercado da construção civil e isso também tem algum relevo", sublinhou.

Na ocasião, a responsável máxima pela Solidariedade Social nos Açores lembrou ainda que as famílias que vão usufruir destes apoios devem ter "atenção aos prazos" porque, se as obras não arrancarem este ano, serão verbas que ficarão "cativas" e que não podem ser direcionadas para outras famílias.

"A gestão do orçamento da Direção Regional (de Habitação) resulta do contributo de todos os açorianos e açorianas e gostamos de fazer uma gestão cuidada desses recursos, beneficiando o maior número de famílias possível", salientou também.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.