Argélia

Governo de Ahmed Ouyahia quer eliminar terrorismo


 

Lusa/AO online   Internacional   21 de Out de 2010, 17:41

A Argélia está determinada em erradicar o terrorismo, mas estará disponível para negociar com os islamitas armados que queiram renunciar à violência, referiu um documento esta quinta-feira apresentado pelo primeiro-ministro argelino, Ahmed Ouyahia, no Parlamento.
O Governo argelino “reafirma que a luta contra os últimos redutos do terrorismo irá continuar com a mesma determinação e irá representar o total desaparecimento deste flagelo do nosso país”, sublinhou o documento anexado à Declaração de Política Geral, que hoje foi apresentada aos deputados.

“A mão do Estado irá continuar estendida para todos os cidadãos errantes que queiram ainda beneficiar da clemência do seu país”, acrescentou o mesmo texto, numa referência à política de reconciliação nacional, lançada em 2005 pelo Presidente Abdelaziz Bouteflika.

Com esta política, a ameaça terrorista “diminuiu consideravelmente, mas a vigilância ainda é necessária”, frisou o documento, da responsabilidade do Governo de Argel.

Os actos de violência envolvendo islamitas armados marcam a Argélia há cerca de duas décadas, mas têm vindo a diminuir.

As áreas mais problemáticas continuam a ser as regiões de Boumerdès e Tizi Ouzou, em Kabylie, com ataques atribuídos a grupos ligados à Al-Qaida no Magrebe Islâmico (AQMI).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.