Governo atribui interesse regional a projeto de radioterapia da empresa Quadrantes

Governo atribui interesse regional a projeto de radioterapia da empresa Quadrantes

 

Lusa/AO online   Regional   23 de Jul de 2012, 13:12

O governo açoriano atribuiu ao projeto da empresa Quadrantes relativo à construção e à exploração do centro de radioterapia em S. Miguel a classificação de interesse regional, dada a sua relevância social para o arquipélago.

"Trata-se de um investimento de enorme relevância social para os doentes cancerosos e para as suas famílias", afirmou o secretário regional da Presidência, André Bradford, acrescentando que a obra terá um custo total de cerca de seis milhões de euros.

A decisão do executivo foi tomada na passada sexta-feira em reunião do Conselho de Governo e dada a conhecer hoje aos jornalista em Ponta Delgada.

André Bradford referiu que a futuro centro de radioterapia irá fazer com que a região passe a dispor de uma nova unidade de cuidados de saúde "com serviços diferenciados e numa área de grande relevância médica, com capacidade máxima de tratamento de cerca de 500 doentes por dia".

Segundo o responsável, a classificação como Projeto de Interesse Regional (PIR) pressupõe uma majoração, que não quantificou, dos apoios a conceder à empresa Quadrantes - Clínica Médica e Diagnóstico, Sociedade Unipessoal, Lda.

O governante adiantou que a instalação desta unidade na ilha de S. Miguel permitirá "evitar a deslocação de doentes oncológicos para fora da região", como acontece presentemente.

O Centro de Radioterapia dos Açores estava inicialmente previsto como parceria público-privada, mas, depois de ter sido recusado por duas vezes o visto do Tribunal de Contas, o executivo regional abandonou esta ideia, passando o projeto a ser um investimento privado, candidato a fundos comunitários e a incentivos regionais.

O Conselho de Governo decidiu também classificar como PIR o projeto de deslocalização da Fábrica de Tabaco Micaelense do centro de Ponta Delgada para o parque industrial Azores Park e a criação de um parque eólico na Serra do Cume, na ilha Terceira.

O secretário regional da Presidência adiantou que o projeto da Companhia Açoriana de Energias Renováveis, com um valor estimado de 5,6 milhões de euros, irá contribuir para a "diversificação e consolidação da oferta energética a partir de fontes renováveis".

"O Plano Energético Regional prevê que, até 2018, 40% da energia primária e 75% da eletricidade produzida nos Açores sejam de origem renovável", recordou.

O Governo Regional, liderado por Carlos César, aprovou também o decreto que regulamenta o regime jurídico do acesso e utilização de recursos naturais do arquipélago para fins científicos, com o objetivo de acautelar a proteção e conservação do património genético.

André Bradford assegurou que existem "manições de interesse" de empresas para, por exemplo, efetuarem prospeção dos fundos marinhos açorianos. Com as novas regras, referiu, a região terá de ser sempre consultada antes de ocorrerem atividades de investigação científica ao património genético.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.