Governo apela à participação na definição da estratégia de investigação até 2020


 

Lusa/AO online   Regional   23 de Jul de 2014, 18:49

O secretário do Mar, Ciência e Tecnologia dos Açores apelou hoje à participação na definição da Estratégia de Investigação e Especialização Inteligente (RSI3) a implementar na região entre 2014-2020, cuja consulta pública termina a 28 de julho.

“Todas as entidades ou indivíduos interessados podem enviar por correio eletrónico os seus contributos, que serão depois compilados durante o dia 29, de forma a mandarmos para o Governo da República”, afirmou aos jornalistas Fausto Brito e Abreu, após a sessão pública de apresentação do documento, na Universidade dos Açores, em Ponta Delgada.

O governante dos Açores referiu que após “um processo alargado e participado”, iniciado em 2012, foram definidos três eixos prioritários para o documento: “agricultura, pecuária e agroindustria”, “pescas e mar” e “turismo”, considerando o seu potencial de diferenciação face ao exterior, a existência de massa crítica ou as ligações externas existentes.

O RSI3 está disponível para consulta na página do Governo Regional dos Açores na internet desde 14 de julho e identifica dez projetos piloto, que a serem implementados permitirão cumprir as prioridades estratégicas definidas.

Segundo explicou Fausto Brito e Abreu, a realização desse documento é uma obrigação comunitária para libertação de fundos de coesão em 2015, sendo que cada região terá de ter uma estratégia própria, a compilar em relatórios nacionais, que serão enviados para a Comissão Europeia até 31 de julho.

“O documento ainda está em aberto e vamos contemplar todos os contributos”, disse o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, que tomou posse do cargo recentemente.

Na apresentação pública do documento vários investigadores da academia açoriana criticaram o facto de o RSI3 não ter um quarto eixo prioritário dedicado ao ambiente e diodiversidade, algo que o governante entendeu, mas considerou tratar-se de “uma área transversal” no documento elaborado.

“A questão do ambiente é sem dúvida central para todos os eixos. Julgo que foi opção da equipa de trabalho não ter o ambiente como eixo separado, porque, segundo a metodologia que nos é pedida pela Comissão Europeia, devemos eleger áreas que tenham um bom 'interface' entre ciência, economia, mercados e empresas”, referiu o secretário regional, convicto de que “o documento como está tem mais facilidade em ser aceite pela Comissão Europeia”.

A Estratégia de Investigação e Inovação para a Especialização Inteligente (RIS3) dos Açores será materializada através do apoio às atividades de investigação e de inovação e sustentará a decisão dos investimentos estruturais europeus, como parte da contribuição da Política de Coesão para os objetivos da estratégia Europa 2020.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.