Governo anuncia incentivos à instalação de empresas no interior


 

Lusa/AO online   Economia   30 de Jan de 2015, 17:44

O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional anunciou, em Chaves, incentivos para a instalação de empresas no interior, que passam por uma majoração de 10% para quem aposta nos territórios mais pobres.

"Vai ser possível, no âmbito do programa Portugal 2020, bonificar as empresas que se instalam nas regiões mais pobres do país. Estamos justamente na regulamentação dos fundos europeus a incluir um critério que vai majorar em 10% as candidaturas das empresas que se instalem nas regiões mais pobres das regiões mais pobres", afirmou Manuel Castro Almeida.

O governante falava aos jornalistas à margem da conferência "Lições do Novo Norte" e a aplicação dos fundos no ciclo 2014-2020, que decorreu em Vidago, concelho de Chaves, e foi promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Castro Almeida reafirmou que a "esmagadora parcela dos fundos europeus vai ser utilizada nas regiões pobres". "Mais de 90% dos fundos vão ser utilizados nas regiões do Norte, Centro, Alentejo e dos Açores", sustentou.

No entanto, frisou que, dentro dessas regiões mais pobres, há sub-regiões mais pobres ainda, as quais vão ser tratadas de forma diferenciada também.

"No Portugal 2020 vai poder haver concursos que sejam exclusivamente destinadas às regiões mais pobres de uma região pobre, por via do índice de poder de compra de cada subespaço regional ou por via da densidade populacional", salientou.

O objetivo, de acordo com o secretário de Estado, "é diminuir as diferenças de desenvolvimento que há no país, as assimetrias de desenvolvimento".

"O país não é todo igual, é diferente a pobreza que se tem no Porto ou em Gaia da pobreza que se tem em Bragança, Vinhais ou Vimioso. É tudo região norte mas são situações diferentes", explicou.

Na opinião de Castro Almeida, os fundos europeus serviram pouco para diminuir as diferenças de desenvolvimento no país e, por isso, ainda existem grandes assimetrias de desenvolvimento em Portugal.

Para o governante, "não vale a pena ficar à espera que venham grandes investimentos estrangeiros instalar-se em Trás-os-Montes, abrirem fábricas e criarem 300 ou 400 postos de trabalho". "Não é provável que aconteça", acrescentou

Por isso, considerou que a "solução é apostar no empreendedorismo de base local".

"É olhar para as riquezas que cada território tem e procurar valorizá-las. Acrescentar valor, esse é o caminho que temos que seguir", afirmou.

Estas regiões são também afetadas pelo despovoamento, pela fuga dos mais jovens e, aqui, o desemprego atinge maioritariamente as mulheres.

Castro Almeida referiu que o Governo está a "ponderar seriamente" a possibilidade de criar incentivos específicos para o empreendedorismo jovem e feminino, no entanto, ressalvou que é "um assunto que ainda não está decidido".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.