Governo açoriano tem condições políticas para travar despedimentos na Cofaco

Governo açoriano tem condições políticas para travar despedimentos na Cofaco

 

Lusa/AO online   Regional   18 de Jan de 2018, 09:15

O Bloco de Esquerda (BE) dos Açores apresentou ontem um projeto de resolução onde pede a reversão dos despedimentos na conserveira Cofaco e considera que o executivo regional "tem condições políticas" para fazer que tal suceda.

"O nosso ordenamento jurídico tem previsto, de forma clara, instrumentos para situações de reconversão tecnológica nas empresas que evitam os despedimentos, mantendo neste caso os/as trabalhadores/as o seu vinculo à empresa", lembra o partido, no projeto hoje entregue no parlamento açoriano.

O BE pede que "não se concretizem os anunciados despedimentos na fábrica da Cofaco no Pico" e seja viabilizado "um processo de reconversão tecnológica da empresa, defendendo o partido que o Governo Regional dos Açores deve ser "célere na avaliação da candidatura para a nova unidade fabril" da Cofaco, diligenciando "no mesmo sentido junto de todas as entidades públicas envolvidas no processo".

A administração da conserveira, dona da marca Bom Petisco, por exemplo, anunciou na semana passada que iria avançar com o despedimento coletivo de cerca de 180 trabalhadores que desempenham funções na unidade fabril da vila da Madalena, na ilha do Pico, apesar de manifestar a intenção de construir uma nova fábrica, no mesmo local.

Na sequência da decisão, o presidente do Governo Regional dos Açores lembrou já que o executivo açoriano "não se pode substituir" à conserveira Cofaco, empresa privada.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.