BES

Governador hoje no Parlamento para voltar a explicar resolução do BES

Governador hoje no Parlamento para voltar a explicar resolução do BES

 

Lusa/AO Online   Economia   23 de Mar de 2017, 06:32

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, é hoje ouvido na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, em duas audições relacionadas com o caso do Banco Espírito Santo (BES) e a sua resolução.

A primeira audição arranca às 17:00 (hora de Lisboa) e é acerca das medidas tomadas na resolução do Banco Espírito Santo (BES), na sequência da reportagem que a SIC passou recentemente sobre aquele resgate bancário, bem como sobre a situação atual do Novo Banco.

Já às 19:00, Carlos Costa é ouvido no âmbito do pedido que dirigiu à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) para "prestar contas sobre a atuação do banco central, defender a sua reputação e proteger a confiança do público na eficácia e na diligência da supervisão bancária acerca da resolução do Banco Espírito Santo".

Em 08 de março, ficou decidido que o governador do BdP vai ser ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças duas vezes, ao contrário do que pretendiam os partidos, sabendo-se então que Carlos Costa só estava disponível a partir de hoje, uma vez que tinha compromissos profissionais fora de Portugal.

Carlos Costa pediu para ser ouvido na COFMA para "repor a verdade", em reação às recentes reportagens do canal SIC sobre o caso BES, com incidência na atuação da instituição liderada por Carlos Costa no segundo semestre de 2013.

Segundo a reportagem intitulada 'Assalto ao Castelo', técnicos do BdP assinaram uma nota informativa interna, logo em novembro de 2013, na qual punham em causa a continuidade de quatro administradores do BES e sugeriam mesmo o afastamento imediato do presidente, Ricardo Salgado.

O PCP e o Bloco de Esquerda defendem a demissão de Carlos Costa, mas o primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, recusou essa hipótese. Já o líder parlamentar socialista, Carlos César, admitiu que os novos dados que indiciam uma ação tardia do governador no caso BES constituem "objeto de reflexão", confirmando "falhas significativas" da supervisão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.