GNR vai criar Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro nos Açores

GNR vai criar Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro nos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Jan de 2017, 18:38

A Guarda Nacional Republicana (GNR) vai criar nos Açores uma secção do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), reforçando os meios de auxílio já existentes no arquipélago em caso de catástrofe, foi hoje anunciado.

“É nossa intensão instalar na região uma secção do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro, com capacidade para desempenhar missões de emergência, proteção e socorro, nomeadamente, resgate, busca e salvamento em estruturas colapsadas”, afirmou o 2º Comandante-geral da GNR, Tenente-General Luís Miguel, sem revelar quando será criado esta secção.

O 2ª Comandante-geral da GNR participou hoje em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, no Dia da Unidade do Comando Territorial dos Açores, criado em 2009 e que conta com um total de 245 elementos, dispersos pelas nove ilhas do arquipélago.

O Tenente-General Luís Miguel considerou que deve existir uma estreita articulação entre a GNR e o Serviço Regional de Proteção Civil e os Bombeiros dos Açores, alegando que, “em caso de aflição, os meios e os recursos nunca são excesso” e que “existe espaço para a troca de experiências e ensinamentos”.

O Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR já existe no continente português e na Madeira, servindo, entre outras coisas, para combater incêndios florestais, busca de pessoas desaparecidas ou realização de ações de sensibilização junto da outras entidades e população.

Prevenção, segurança e garante dos interesses do Estado, dos cidadãos e da legalidade são objetivos do Comando Territorial da GNR nos Açores, uma “missão multifacetada” que o comadante Armando Soares da Costa disse traduzir-se nos 12.690 patrulhamentos efetuados em 2016, contra os 11.584 em 2015.

O coronel Armando Soares da Costa informou, ainda, que no último ano foram elaborados 5.750 autos de contraordenação pela GNR nas ilhas, em contraste com os 4.813 autos do ano anterior, 175 processos crime, ou seja, mais 59 do que em 2015.

Na área tributária, o Comandante da GNR nos Açores destacou que foram elaborados mais de 1.500 autos, o que “representa um combate efetivo e diligente à nociva prática daqueles que, com prejuízo transversal para toda a sociedade, de forma insidiosa se furtam às suas obrigações para com o Estado”.

Já ao nível ambiental, o coronel Armando Soares da Costa, revelou que “houve um aumento dos resultados operacionais na ordem dos 51%”, totalizando 1.790 autos de contraordenação levantados em defesa do património natural e ambiental dos Açores.

Além da atribuição de medalhas, o Dia da Unidade do Comando Territorial dos Açores fica marcado pelo concerto do agrupamento musical quarteto de cordas da Banda da GNR, no salão nobre da Câmara de Ponta Delgada.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.