GNR e Autoridade Nacinal de Segurança divergem no balanço à sinistralidade


 

Lusa/AO On Line   Nacional   6 de Jan de 2010, 05:23

O Ministério da Administração Interna (MAI) apresenta hoje os dados provisórios da sinistralidade rodoviária de 2009, numa altura em que a GNR e a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária apresentam informações diferentes sobre a Operação Ano Novo.

O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, preside à cerimónia de apresentação dos dados, com a presença também de Paulo Marques, presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), Luís Branco, da GNR, Jacinto Jesus Moreira, da PSP, Patrícia Gaspar, da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), e Artur Manuel Martins, do INEM.

O capitão da GNR João Figueiredo disse segunda-feira à agência Lusa que o balanço da Operação Ano Novo da Guarda Nacional Republicana, que se iniciou às 00:00 de quarta-feira e terminou às 24:00 de domingo, "é preocupante", tendo sido registados oito mortos (mais um relativamente ao período homólogo de 2008), 28 feridos graves e 396 feridos ligeiros.

Depois, o presidente da ANSR veio dizer que a Operação Ano Novo da GNR deste ano não coincidiu com o mesmo período da do ano passado, considerando que, por isso, "não é comparável".

Em declarações à Lusa, Paulo Marques adiantou que no ano passado a Operação Ano Novo da GNR terminou no sábado, não tendo contabilizado o domingo, dia de regresso e de "maior densidade de trânsito".

Este ano, a GNR terminou a operação à meia-noite de domingo, contabilizando assim mais acidentes e vítimas, mortos ou feridos, adiantou o responsável.

"Não estamos a comparar coisas iguais", disse, sublinhando que entre as duas operações "há o fosso do regresso".

"No ano passado, a Operação Ano Novo decorreu entre 30 de Dezembro e 03 de Janeiro (sábado). Este ano, decorreu também entre as mesmas datas, só que o dia 3 coincidiu num domingo", referiu.

O presidente da ANSR sustentou que "não se deve fazer comparações em períodos homólogos", nomeadamente, nas épocas do Natal e do Ano Novo.

O presidente da ANSR disse, também, que as duas forças de segurança (PSP E GNR) registaram menos mortos e feridos graves nas estradas portuguesas durante o Natal e Ano Novo, embora não tenha apresentado números.

Entre 21 e 27 de Dezembro passado 11 pessoas morreram e 56 ficaram gravemente feridas nas estradas, enquanto no mesmo período de 2008 registaram-se 19 vítimas mortais, realçou.

Paulo Marques adiantou à Lusa que o número de mortos e feridos graves também diminuiu no ano passado face a 2008, tendo-se "mantido a tendência decrescente dos últimos 10 anos".

De acordo com o responsável, em todo o ano 2009 registaram-se menos cerca de três dezenas de vítimas mortais, número semelhante para os feridos graves.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.