Furacão 'Alex' gera adrenalina profissional a poucas horas da chegada

Furacão 'Alex' gera adrenalina profissional a poucas horas da chegada

 

Lusa/AO Online   Regional   14 de Jan de 2016, 20:10

Apesar de não ser o primeiro furacão que atinge os Açores, o

A poucas horas da passagem do ‘Alex’ pelo grupo central dos Açores, ilhas da Terceira, Graciosa, Pico, Faial e São Jorge, a meteorologista afirma que a adrenalina está a aumentar em função da proximidade do fenómeno natural.

No centro nevrálgico da meteorologia no arquipélago, em Ponta Delgada, Vanda Costa, natural da ilha de Santa Maria, afirma que o instituto já foi hoje “bombardeado” com centenas de telefonemas de pessoas que recorrem aos serviços em busca de respostas sobre como agir, salientando, contudo, que esta é uma função do Serviço Regional da Proteção Civil do arquipélago.

A preocupação perante a chegada iminente do ‘Alex’ é acrescida para os profissionais do IPMA, referiu Vanda Costa, “havendo a necessidade imperiosa de transmitir, com todo o rigor, sem alarmismo”, informação objetiva para os cidadãos.

Num dia em que inúmeros órgãos de comunicação social nacionais são uma presença constante no outro lado da linha telefónica, a especialista do IPMA não esconde que, em termos profissionais, este é um “fenómeno aliciante” de acompanhar, tendo um “caráter extraordinário”.

Vanda Costa explica que, por norma, os furacões formam-se com base em perturbações na zona de Cabo Verde, deslocando-se posteriormente para os Estados Unidos da América e, por vezes, para nordeste, acabando por atingir os Açores.

O ‘Alex’ teve uma formação completamente diferente, não surgindo no arquipélago africano, tendo o seu deslocamento uma formação “completamente anormal”, dirigindo-se desde o seu início para norte-nordeste, adianta.

Com as ilhas do grupo central na rota do ‘Alex’, um fenómeno meteorológico atípico nesta altura do ano, Vanda Costa recorda a passagem pelos Açores do furacão ‘Gordon’, em agosto de 2012, que provou inundações, cortes momentâneos de energia elétrica e estradas obstruídas nas ilhas de São Miguel e Santa Maria.

A meteorologista já acompanhou também a tempestade tropical ‘Nadine’, em setembro de 2015, que teve a particularidade de passar na região, dirigir-se para a Madeira e voltar, de novo, para o arquipélago.

O furacão 'Alex', que poderá provocar rajadas de 170 quilómetros/hora e ondas de 18 metros no grupo central dos Açores, está a evoluir na direção do arquipélago e os seus efeitos deverão começar a fazer sentir-se a partir das 23:00 locais (mais uma hora em Lisboa).

Segundo o IPMA, para as ilhas do grupo central, o aviso vermelho para chuva vigora entre as 02h00 e as 14h00 de sexta-feira (mais uma hora em Lisboa), enquanto o mesmo aviso para o mar mantém-se entre as 05h00 e as 15h00.

O mesmo aviso vermelho, o mais grave numa escala de quatro, mas para o vento está em vigor entre as 05h00 e as 14h00 de sexta-feira no mesmo grupo.

Para o grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) foi também emitido um aviso vermelho para chuva entre as 02h00 e as 14h00 de sexta-feira e para vento, esperando-se nestas ilhas rajadas até 130 quilómetros/hora entre as 05h00 e as 13h00.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.