Fundador do WikiLeaks acusa Google de atuar sob interesses dos EUA

Fundador do WikiLeaks acusa Google de atuar sob interesses dos EUA

 

Lusa/AO online   Internacional   25 de Set de 2014, 10:49

O fundador do site WikiLeaks, o australiano Julian Assange, acusou o Google e o seu ex-presidente Erich Smichdt de atuarem sob os interesses do governo dos Estados Unidos, declarações feitas a partir de Londres em videoconferência.

 

Julian Assange, que anunciou em agosto que iria "abandonar em breve" a embaixada do Equador em Londres, onde se encontra exilado há dois anos, apresentou o seu último livro "Quando o Google conheceu o WikiLeaks" numa apresentação feita à distância para a galeria de arte de Nova Iorque onde decorreu o evento ao qual assistiram centenas de pessoas.

O fundador do WikiLeaks sublinhou que aqueles que o acusam de ser "paranoico" e "traidor" têm comportamentos "ridículos" e ironizou sobre as vantagens de estar sob asilo na embaixada do Equador em Londres.

"Tenho mais tempo para mim, para pensar e para escrever este livro", disse.

Julian Assange não revelou, contudo, quando pretende abandonar a representação diplomática e apenas se limitou a falar do conteúdo do seu livro, no qual acusa o Google de se ter convertido numa nova forma de "colonização" ao "utilizar todas as sociedades como seu objetivo".

"A Google não vende um produto, as pessoas são esse produto. Parece uma organização inofensiva, um pátio de uma escola, mas não é", assegurou o Assange que considera que a empresa atua sob a influência da Agência de Segurança Nacional (NSA) e que "ordena, indexa e organiza a informação privada das pessoas".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.