Fujimori declara-se inocente

Fujimori declara-se inocente

 

Lusa / AO Online   Internacional   10 de Dez de 2007, 19:01

O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori declarou-se hoje inocente perante o tribunal que o começou a julgar em Lima, para determinar a sua responsabilidade na morte de 25 pessoas há 15 anos.

    "Rejeito as acusações, sou inocente, não aceito a acusação do procurador", disse Fujimori ao juiz, que lhe pediu que respondesse apenas sim ou não.

    "Réu Fujimori, aqui sou eu que lidero, deve respeitar as directivas do tribunal", disse o juiz a Fujimori, quando o ex-presidente começou a fazer a defesa do seu governo.

    "Recebi o país em 1990 à beira do abismo, o meu governo defendeu os direitos do homem de 25 milhões de peruanos sem qualquer excepção. Se houve factos execráveis, não foi por minha ordem e condeno-os", insistiu Fujimori.

    O processo, a cargo da câmara especial do Supremo Tribunal de Justiça, inclui os massacres de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), em que morreram um total de 25 pessoas, bem como os sequestros do jornalista Gustavo Gorriti e do empresário Samuel Dyer.

    O Ministério Público acusa Fujimori de autoria moral daqueles crimes, realizados pelo grupo militar clandestino "Colina", e pede a sua condenação a 30 anos de prisão.

    O antigo homem forte do Peru dirigiu nos anos de 1990 uma luta sem cartel contra a guerrilha maoísta do Sendero Luminoso, que causou 70.000 mortos e desaparecidos, no âmbito da qual ocorreram os referidos massacres.

    Actualmente com 69 anos, Fujimori tentou escapar à justiça peruana durante cerca de sete anos, refugiando-se primeiro no Japão, país de que possui a nacionalidade, e depois no Chile, de onde foi extraditado a 22 de Setembro deste ano.

    Considerado histórico, o julgamento iniciou-se às 10:00 locais (15:00 em Lisboa) no quartel policial de Lima onde Fujimori tem estado detido, na presença de familiares das vítimas, da filha de ex-presidente peruano, de numerosos jornalistas e representantes de organizações não governamentais.

    A câmara especial do Supremo Tribunal de Justiça do Peru é presidida pelo juiz César San Martin, assistido por dois outros magistrados.

    As audiências do julgamento, que poderá durar de nove meses a dois anos, decorrerão três dias por semana.

    Da sentença é possível recurso perante o Supremo Tribunal peruano.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.