Frente de Libertação estuda sustentabilidade dos Açores independentes

Frente de Libertação estuda sustentabilidade dos Açores independentes

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Set de 2014, 06:32

A Frente de Libertação dos Açores (FLA) voltou hoje a manifestar a sua convicção na independência do arquipélago e anunciou que está a desenvolver estudos que permitem assegurar que os Açores "são sustentáveis".

No dia em que a Escócia realiza um referendo para decidir sobre independência face ao Reino Unido, José Ventura, da FLA, diz que também nos Açores “faz sentido” a independência face a Portugal.

O ex-líder do Partido Democrático do Atlântico (PDA) elogiou "a luta de 300 anos" na Escócia e o apoio da juventude ao “sim” no referendo, sublinhando pontos de semelhança com o arquipélago açoriano para defender, também, uma consulta popular ao povo dos Açores.

“Estamos com o povo escocês. A Escócia vale-se do seu mar, porque tem petróleo e os açorianos valemo-nos também do nosso mar, pela Zona Exclusiva, que é entre as três (Açores, Madeira e Portugal) a maior e com riquezas enormes”, afirmou José Ventura, acrescentando que os Açores têm também "muitas potencialidades" no setor agrícola.

José Ventura lamentou, por outro lado, que os deputados açorianos não tenham "a coragem suficiente para pedir a libertação do povo açoriano na Assembleia".

"O referendo nos Açores só pode ser feito em função da liberalização da criação de partidos regionalistas ou partidos independentistas que são proibidos pela Constituição e os nossos deputados têm uma grande culpa", segundo este membro da FLA.

A FLA enviou, entretanto, "uma mensagem" por email ao primeiro-ministro da Escócia e líder do PNE, a manifestar "solidariedade" e "apoio ao sim" no referendo de quinta-feira.

Frisando o "incremento" das movimentações independentistas pela Europa, José Ventura adiantou que a FLA “está em contacto” com a Aliança Livre Europeia para que a Frente de Libertação dos Açores se possa "inscrever" naquela aliança, que “integra organizações de 15 países europeus e tem sete deputados no Parlamento Europeu a lutar pela independência de algumas regiões”.

"A independência dos Açores continua a fazer sentido nas áreas económicas. Nós estamos a fazer um levantamento que nos permite dizer abertamente que os Açores são viáveis economicamente", reforçou.

Em junho deste ano, a FLA promoveu uma conferência de imprensa para assinalar o 06 de junho de 1975 – quando uma manifestação juntou 10 mil pessoas em Ponta Delgada, na sua maioria lavradores, que se batiam por várias reivindicações e contra o regime de Lisboa.

Na ocasião, José Ventura voltou a manifestar a convicção de que o povo "vai voltar às ruas, em menos de dois anos", alegando que a região "está a ir cada vez mais para um caminho completamente errado e conturbado".

“As pessoas dizem que já passam fome. E acredito. E ainda vão passar mais. As dificuldades são enormes”, apontou.

A FLA foi criada em 1976, em Londres, com o objetivo de lutar pela independência dos Açores face a Portugal.

José Ventura ressalvou, no entanto, que "a independência não é contra Portugal, mas com Portugal".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.