Festival Azores Fringe espalha arte pelas nove ilhas do arquipélago

Festival Azores Fringe espalha arte pelas nove ilhas do arquipélago

 

  Regional   28 de Mai de 2016, 11:59

O festival internacional de artes Azores Fringe, que nasceu no Pico, chega este ano a todas as ilhas dos Açores com diversas manifestações artísticas e levando a arte para além das cidades.

“A ideia é abraçar qualquer artista e qualquer tipo de arte e é isto que estamos a tentar fazer”, afirmou hoje à Lusa Terry Costa, diretor da associação MiratecArts, produtora do festival que encerra portas a 30 de junho.

Para Terry Costa, o objetivo passa, também, por “ajudar o mais possível os artistas açorianos movimentarem-se entre ilhas e, assim, também conhecerem outros artistas”, considerando que “isto é muito importante no desenvolvimento local, da cidadania e da própria arte”.

O Azores Fringe lançou a sua quarta edição no Vulcão dos Capelinhos, na ilha do Faial, e este ano tem mais de uma centena de iniciativas com trabalhos de 220 artistas de várias regiões do continente e de 32 países.

“Este ano chegamos ao Faial e a São Jorge, e nesta ilha uma antiga fábrica de queijo será transformada num espaço de artes, uma galeria onde será montado um estúdio de música e onde vão decorrer vários ‘workshops’ e exposições”, indicou Terry Costa, fundador deste festival internacional.

O “epicentro” do evento é, contudo, no Pico, ilha onde há o maior número de eventos e onde o certame encerra.

“Ao longo destes quatro anos temos levado a arte a lugares onde não existe a produção regular de eventos culturais. Por exemplo, no Corvo tivemos, no ano passado, um dia dedicado a todo o tipo de arte. Este ano estamos a desenvolver um fim de semana, o que será uma iniciativa gigantesca para uma ilha tão pequena”, salientou o diretor artístico.

Jardins, bibliotecas, museus ou até ruas recebem durante um mês exposições, dança, teatro, música, cinema e uma mostra de curtas-metragens.

Uma das novidades deste ano é a realização de dois encontros, o primeiro dos quais vai reunir escritores açorianos nas Lajes das Flores, que decorre já neste fim de semana e designado “Pedras Negras”, e, a 19 de junho, o encontro e expedição fotográfica na ilha do Pico.

Outro destaque da programação acontece a 22 de junho no Teatro Faialense, com a receção do escritor Christopher Hampton, que nasceu na ilha há 70 anos e volta, pela primeira vez desde criança, adiantou.

Na música, o destaque vai para o compositor e músico português Luís Anjos Teixeira, a viver na Alemanha, e um dos artistas que vai fazer residência no Pico, em junho.

“Temos o nosso mote, que é uma exposição artística dos Açores para o mundo, porque é literalmente uma explosão. Esperamos que cada vez mais artistas de várias ilhas participem e as pessoas se juntem e queiram aventurar-se, porque o ‘Fringe’ é uma aventura", salientou, referindo que a participação no Azores Fringe cresce de ano para ano.

O programa do festival, que tem apoios do Governo dos Açores e de vários municípios, pode ser consultado em www.azoresfringe.com.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.