Festa motard algarvia com saldo positivo apesar de menos participada

Festa motard algarvia com saldo positivo apesar de menos participada

 

Lusa / AO online   Nacional   20 de Jul de 2014, 18:36

Os 'motards' despediram-se hoje da capital algarvia com o tradicional desfile onde milhares de motas de diferentes cilindradas, marcas e nacionalidades, de uma concentração sem percalços mas com menos participantes, disse à Lusa a organização.

 

A 33.ª edição Concentração Internacional de Motos de Faro arrancou a 17 de julho e recebeu no recinto do Vale das Almas, no Ludo, perto de 15 mil participantes, 70 por cento dos quais de nacionalidade espanhola, disse à Lusa João Anselmo, da organização.

Um número inferior aos 20 mil participantes que o presidente do Moto Clube de Faro havia antecipado mas que não condicionou o sucesso do evento onde as motas são o ponto comum para um convívio internacional recheado de concertos, animação, stands profissionais, exposições, tatuadores, entre outras atividades.

Em plena Baixa de Faro, a bancária australiana residente em Londres Debbie Walker, 43 anos, explicou que há 20 anos que é presença assídua na concentração e que veio com a família de avião.

Apesar de notar menos pessoas que em edições anteriores “foi divertido na mesma”, frisou.

Numa esplanada à beira das Docas de Faro, a irlandesa Louise Joy, 42 anos, contou foram os testemunhos de amigos 'motards' que a atraíram para a concentração algarvia.

“Este é o segundo ano mas definitivamente vai passar a ser uma coisa anual” assegurou admitindo que apesar de ser preciso garantir tempo para a viagem de mota, um dia quer trazer a sua até ao sul de Portugal.

Do outro lado da mesa, Declan Coady, pescador de 53 anos, contou que há seis anos que vem ao Algarve para a concentração mas que no para o ano virá de avião.

“Da próxima vez não virei de mota, é muito duro e muito longe”, comentou observando que a deslocação da Irlanda até ao Algarve demorou quatro dias.

Apesar de participar com frequência em concentrações na Irlanda Declan Coady admite que lhes falta o clima algarvio.

O desfile de motas que marca o final da concentração é acompanhado por muitas pessoas que encheram os passeios e bermas da estrada que liga o Vale das Almas, perto do aeroporto de Faro, até à Baixa de Faro.

Agora que já não tem mota Manuel Bimbarra, 67 anos, de Olhão, disse que veio assistir ao desfile com a esposa para matar saudades.

“Os homens gostam muito de ver estas coisas”, comentou Fernanda Bimbarra que não escondeu que acha piada a todo o espírito 'motard' associado, desde as motas às roupas e acessórios.

“Se não tiverem roupas de motoqueiros também não presta”, sublinhou.

Desde 2011, altura em que a concentração recebeu cerca de 30 mil visitantes, a afluência tem diminuído, sendo a crise económica nacional e internacional apontada como a principal razão dessa redução pelo presidente do Moto Clube de Faro, entidade responsável pelo evento.

O palco da 33.ª Concentração de Motos de Faro recebeu as atuações dos artistas: Steve Harris acompanhado pelos British Lion, os Moonspell, Kalu, Mu e Los Inhumanos, entre outros.

“Foi uma boa edição, as pessoas corresponderam e vamos arregaçar as mangas para o ano”, disse João Anselmo lamentando a falta de apoios de entidades oficiais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.