Política

Festa do PSD-M sob o signo de alguma crispação com o PSD "pai"

Festa do PSD-M sob o signo de alguma crispação com o PSD "pai"

 

Lusa/AO online   Regional   24 de Jul de 2010, 15:36

O PSD-Madeira realiza domingo a sua festa anual mas este ano, e pela primeira vez, na Herdade do Chão da Lagoa, propriedade da Fundação Social Democrata.

A festa dos sociais-democratas madeirenses decorre este ano sob o signo de alguma crispação com o partido “pai”, o PSD nacional de Pedro Passos Coelho, que, no entender do presidente da Comissão Política Regional, Alberto João Jardim, segue uma linha liberal. O líder do PSD-M também já se manifestou “frontalmente contra” a proposta de revisão constitucional assumida pelo PSD nacional: “doutrinariamente, fica muito claro, que o presidente da Comissão Política da Madeira do PSD, que é simultaneamente presidente do único governo que o PSD tem neste País, não se revê, nem se identifica com esta proposta de revisão constitucional”. Alberto João Jardim fez esta observação a 20 de julho, à margem de uma inauguração em São Vicente, tendo mesmo acrescentado que “esta não é a ideologia do meu PSD”, que estava “no direito de estar frontalmente contra” e que se não aceitassem a sua posição o poderiam expulsar do partido. “É um favor que me fazem”, disse então. Apesar dessa discordância, Alberto João Jardim ressalvou, no entanto, que, na festa do Chão da Lagoa, não iria falar contra o seu partido: “Os problemas de Portugal com repercussão na Madeira são muito mais graves do que as brincadeiras internas do PSD”. Este ano, a festa do PSD-M não contará com intervenções de dirigentes nacionais, dado que a Comissão Política Regional, na sua reunião de 08 de abril, decidiu que quem quisesse vir vinha, era livre de o fazer, mas o programa de oradores oficiais era o mesmo de 2009, ou seja, com a “prata da casa”. Assim, as intervenções estarão a cargo da presidente da JSD-M, Vânia Jesus, do secretário-geral do PSD-M, Jaime Ramos, do presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Albuquerque, e do presidente do Partido Social Democrata (PSD) na Madeira, Alberto João Jardim. O Secretariado do partido espera uma afluência de 40 mil pessoas e, como já é tradicional, os discursos serão precedidos pelo périplo do presidente do PSD-M pelas 56 tasquinhas implantadas no local, representativas das 54 freguesias da Madeira e das organizações dos TSD-M e da JSD-M. Sá Carneiro, Fernando Nogueira, Durão Barroso, Marcelo Rebelo de Sousa e Marques Mendes foram alguns dos dirigentes nacionais do partido que participaram na festa do Chão da Lagoa, mas não na herdade que é propriedade da Fundação Social Democrata. Em 2009, a então dirigente Manuela Ferreira Leite era para ter estado, mas por motivos de doença cancelou a sua participação.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.