Farinheira de cogumelos em estreia no Festival Míscaros


 

Lusa / AO online   Economia   20 de Nov de 2010, 11:55

Frita com uma pitada de azeite ou na grelha, a farinheira de cogumelos está em estreia este fim de semana no Festival Míscaros, no Alcaide, Fundão.

A ideia surgiu há um ano, na primeira edição do festival, “em tom de brincadeira”, recorda o produtor artesanal, António Abrantes.

Mas da brincadeira passou à prática: pegou na farinheira tradicional do Fundão, juntou-lhe cogumelos de cultivo Portobelo e Merlon e carne com “sabor a condizer”.

Após várias experiências, surgiram as primeiras provas: há cerca de mês e meio que António Abrantes recolha as opiniões de quem toma o gosto ao novo produto.

“É aromática e nada enjoativa” destaca, ao recordar as principais apreciações. A fórmula que equilibra a massa tradicional da farinheira e os cogumelos está encontrada e o sucesso vai depender da aceitação no festival, onde haverá 150 quilos para consumir.

Segundo António Abrantes, vai ser vendida a cerca de 6,5 euros, “mais um euro que a farinheira tradicional”. O produtor dedica-se a esta atividade há 27 anos e emprega sete pessoas em instalações na zona industrial do Fundão, de onde sai entre uma e 1,5 toneladas de enchidos por mês, todos feitos artesanalmente.

Segundo o empresário, há uma grande procura de produtos ligados aos cogumelos. Mesmo que não sejam uma grande oportunidade de negócio, “serão sempre uma boa ajuda”.

A farinheira de cogumelos é a novidade na ementa do Festival Míscaros, durante o fim de semana, organizado pelo município do Fundão, junta de Freguesia e Liga dos Amigos do Alcaide.

O programa inclui passeios micológicos na Serra da Gardunha e uma arrozada coletiva que vai ser servida no domingo ao almoço, feita com cerca de 100 quilos de cogumelos.

A praça central do Alcaide transforma-se numa cozinha, em redor da qual vão gravitar 60 tasquinhas, animação de rua e espetáculos musicais.

“Queremos reforçar sempre a vertente gastronómica, trazendo vários especialistas para nos ajudarem a perceber melhor o produto”, destacou Nuno Alves, diretor da Liga dos Amigos do Alcaide.

Chakall, Nuno Queiroz Ribeiro e Valdir Lubave são os três “chefs” que vão dirigir sessões de cozinha ao vivo e mostrar diferentes iguarias.

“A animação servirá sempre de complemento”, com música apresentada por grupos populares, acrescentou Nuno Alves.

Durante o festival, a cada meia-hora, haverá autocarros gratuitos de ligação entre o Alcaide e a cidade do Fundão, numa distância de sete quilómetros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.