Familias cortam no supermercado por causa da crise


 

Lusa/AO online   Nacional   13 de Jun de 2010, 13:24

Alimentação e medicamentos são os principais alvos de corte nos gastos das famílias portuguesas em crise, que continuam contudo a aguentar bens mais supérfluos, como telemóveis ou televisão por cabo, tentando manter a aparência do mesmo estilo de vida.

A associação de defesa do consumidor Deco foi contactada nos primeiros cinco meses do ano por 5500 famílias em situação de sobreendividamento e refere que o supermercado e a farmácia são os que sofrem mais cortes no orçamento destes lares.

“Na alimentação começam a optar por alimentos de marca branca e deixam de comprar alguns produtos mais caros”, explicou à Lusa a responsável da Deco pelo apoio ao sobreendividamento, Natália Nunes.

Confrontadas com menos dinheiro, as famílias cortam também nos medicamentos, deixando mesmo de adquirir remédios necessários e prescritos pelo médico.

“Nem substituem os medicamentos. Pura e simplesmente deixam de os comprar”, frisa.

Já em serviços de telecomunicações e multimédia, as despesas tendem a manter-se.

“Aparentemente, cortar na alimentação e nos medicamentos é mais fácil para as famílias, que tentam manter a mesma aparência de estilo de vida”, indica Natália Nunes.

Outro exemplo é a “grande resistência” em vender os automóveis: “Há quase sempre a tentativa de manter o mesmo tipo de vida”.

As famílias que recorrem à Deco são geralmente compostas por um casal com um filho, com rendimentos líquidos mensais médios de 1500 euros.

A especialista aconselha as famílias a gerir melhor o dinheiro, assumindo uma postura crítica e ativa para gastar menos, por exemplo, através da comparação e renegociação de valores com operadores de telecomunicações e serviços multimédia.

Foi precisamente esta a atitude de Sandra e António. Apesar de estarem longe de uma situação de sobreendividamento, a jornalista de 40 anos e o técnico de biblioteca de 42, renegociaram o contrato de telecomunicações, permitindo-lhes uma poupança mensal de 25 euros.

Com um rendimento bruto conjunto de 2500 euros por mês, esta família com um filho de três anos tem cerca de 2100 euros de despesas fixas.

“Quando houve aumento dos juros das casas cortei em coisas não elementares, como a engomadoria e um dos canais codificados. Apesar da baixa de juros, continuo sem sentir que estamos a recuperar”, comenta Sandra Mendes, referindo que as idas a restaurantes se tornaram uma raridade, bem como os passeios fora de Lisboa.

Para Andreia e Ricardo, poucos são os “extra”, já que cada um recebe menos de 600 euros líquidos, ela como auxiliar de ação educativa e ele como mecânico.

“Já cortámos na televisão por cabo e este ano nem vamos de férias, nem sequer para o campismo, como temos ido nos últimos tempos. Temos renda da casa para pagar e também a creche da nossa filha. O dinheiro não chega para tudo”, diz Andreia.

No entanto, reconhece, não conseguem imaginar-se sem carro e continuam a sustentar os dois automóveis.

“Pensámos na hipótese de vender um, não pelo dinheiro que rendia, mas porque se gasta muito em combustível e em seguros. Mas trabalhamos em sítios distantes e para cumprirmos horários precisamos mesmo do carro”, justifica.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.