Falta de orçamento próprio preocupa profissionais da Polícia Marítima

Falta de orçamento próprio preocupa profissionais da Polícia Marítima

 

Lusa/AO online   Nacional   24 de Out de 2014, 18:41

O presidente da Direção Nacional da Associação Socioprofissional da Polícia Marítima, Miguel Soares, lamentou o facto de esta força policial continuar a não ter direito a um orçamento específico.

"O ministro da Defesa há alguns anos que anda a prometer que vamos ter um orçamento próprio, mas isso continua sem acontecer. Mantendo todo o quadro orçamental integrado dentro da estrutura da Marinha, não é possível à polícia marítima conseguir perceber quais são as receitas destinadas à formação de pessoal, à reabilitação das infraestruturas, à aquisição de meios e equipamentos operacionais e às progressões na carreira", explicou Miguel Soares.

O dirigente falara após uma reunião entre a Comissão Coordenadora Permanente dos Sindicatos e Associação dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança, que decorreu na sede da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia, no Porto.

Garantindo que este problema tem sido uma "constante" e que o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, "há alguns anos anda a prometer" que a Polícia Marítima vai ter um orçamento próprio, Miguel Soares lamentou que, "ao contrário das outras forças de segurança", a polícia marítima continue sem "conseguir fazer qualquer previsão".

"Se pretendermos saber se há uma previsão para o aumento do quadro da Polícia Marítima, não conseguimos fazer esta contabilidade porque ao olharmos para o quadro do Orçamento do Estado destinado à Marinha, de facto há um rubrica destinada à Autoridade Marítima Nacional, mas não se consegue vislumbrar lá qualquer receita específica", acrescentou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.