Facebook desvalorizou 73 mil milhões dólares nas últimas duas semanas

Facebook desvalorizou 73 mil milhões dólares nas últimas duas semanas

 

Lusa/AO online   Internacional   27 de Mar de 2018, 08:51

O fundador da Facebook, Mark Zuckerberg, pode querer apagar os últimos 10 dias da sua linha do tempo, bem como da do público em geral, depois de ver a empresa perder 13,5% da capitalização bolsista.

Em pouco mais de uma semana, a Facebook passou de uma das empresas mais apetitosas do mercado bolsista para uma das quais os investidores querem fugir.

A acentuada desvalorização bolsista resultou das alegações relativas à obtenção indevida de informação pessoal de milhões de utilizadores da Facebook por uma forma de consultoria política, a Cambridge Analytica, que trabalhou para a campanha eleitoral de Donald Trump.

Na segunda-feira, a Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês) dos EUA informou que abriu um inquérito às políticas de privacidade da empresa das redes sociais, enquanto deputados nos EUA e Reino Unido exigem respostas e querem abrir inquéritos.

Na sessão bolsista de segunda-feira, a Facebook chegou a cair 6,5%, mas acabou com um ligeiro ganho, aproveitando a maré de recuperação generalizada, depois das forte perdas na semana passada.

A desvalorização bolsista sofrida pela Facebook, em termos monetários, é de 73 mil milhões de dólares (59 mil milhões de euros).

Este valor corresponde ao que a empresa tinha em 2012, no ano em que entrou na bolsa.

Depois de um primeiro ano com altos e baixos, nos últimos quatro anos e meio tem gozado de um enorme sucesso.

Antes da recente queda, a valorização bolsista da Facebook excedia os 500 mil milhões de dólares, o que a tornava a quinta empresa mais valiosa dos EUA. Agora, caiu para o sexto lugar, atrás da Berkshire Hathaway, a holding de Warren Buffet.

Mas o escândalo sobre a forma como a Facebook lida com a informação dos seus utilizadores ocorreu depois de a empresa ter sido criticada por ter sido uma conduta de notícias falsas e propaganda produzida por agentes russos, com vista à perturbação das eleições presidenciais norte-americanas em 2016.

A empresa veio a admitir estes problemas, tal como prometeu fazer melhor depois do último escândalo.

Mas a Facebook está a enfrentar um novo tipo de crise, com utilizadores irados que podem apagar as suas contas, anunciantes que podem reduzir a publicidade e governos que a podem punir ou regulá-la de uma forma como nunca foi.

A ação está a cotar ao seu preço mais baixo desde julho e já caiu 17,1% desde que estabeleceu um valor recorde em 01 de fevereiro.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.