Facebook apaga dezenas de milhares de contas de notícias falsas

Facebook apaga dezenas de milhares de contas de notícias falsas

 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   8 de Mai de 2017, 18:06

Os responsáveis da rede social Facebook apagaram dezenas de milhares de contas de utilizadores no Reino Unido antes das eleições legislativas britânicas de 8 de junho, no âmbito de uma campanha contra as notícias falsas divulgadas online.

 

O gigante tecnológico norte-americano também publicou na imprensa tradicional britânica um anúncio no qual dá conselhos sobre como detetar estas notícias falsas [fake news].

O anúncio aconselha os leitores a serem "céticos quanto aos títulos" das notícias e pede-lhes para "observarem com atenção o URL" [a morada digital onde está alojada a página de Internet].

Os anúncios começaram a sair em jornais tradicionais de papel como o The Times, o The Guardian e o Daily Telegraph.

Os conselhos do Facebook para ajudar os leitores a detetar as notícias falsas incluem: "seja cético quanto aos títulos", "olhe com atenção para a URL [morada da página], "investigue a fonte", "tenha atenção a uma formatação incomum [das páginas web]", "leve em consideração as fotos”, "confirme a data", "leia outros testemunhos", "Esta peça é uma piada [ou uma sátira]?".

A companhia também afirmou que tem vindo a fazer progressos no sentido de detetar com mais eficácia as contas de Facebook que divulgam notícias falsas.

Um dos diretores do Facebook para o Reino Unido, Simon Milner, disse à agência AP que a plataforma quer ir "à raiz do problema" e que está a trabalhar com organizações externas - a Full Fact e a First Draft - para verificar factos e analisar conteúdos relacionados com as legislativas britânicas de 08 de junho.

"O Facebook está a fazer tudo ao seu alcance para lidar com o problema das notícias falsas", disse Milner.

Analistas do fenómeno político e mediático atribuem às notícias falsas alguma influência nos resultados do referendo britânico sobre a saída da UE (Brexit) e nas eleições presidenciais norte-americanas.

A companhia norte-americana vai começar a descer no ranking de popularidade [que por sua vez determina a sua disseminação] as peças que as pessoas tendem a ler, mas que não partilham.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.