Fabricante de cadeiras para escolas avança para os EUA e Canadá

Fabricante de cadeiras para escolas avança para os EUA e Canadá

 

LUSA/AO Online   Economia   24 de Ago de 2014, 14:58

Os Estados Unidos e o Canadá são as novas geografias para onde a empresa portuguesa Nautilos, especializada em mobiliário escolar e em tecnologias de aprendizagem, vai avançar em 2015, disse a agência Lusa a diretora de marketing, Filipa Silva.

“Os Estados Unidos (EUA) e o Canadá são os novos países para onde queremos vender no próximo ano. Além disso, queremos apostar forte na internacionalização em 2015, através da inovação e diferenciação dos produtos e soluções, e não pelo preço”, salientou a gestora. A Nautilus, que tem uma faturação anual de 7 milhões de euros e exporta 50% da sua produção, tem como um dos “produtos estrela” a cadeira de cores diferentes Ergos, feita em polietileno, que “permitirá" à empresa entrar em novos mercados, salientou. A empresa tem atualmente um Núcleo de Inovação Tecnológica, com “uma equipa focada no desenvolvimento de deias para novos produtos e soluções tecnológicas”, onde investe 200.000 euros em Investigação e Desenvolvimento (I&D) anualmente. Na mira da expansão internacional da Nautilos estão também os mercados nórdicos (Dinamarca, Noruega e Suécia), onde a empresa vai procurar em 2015 entrar com uma “oferta diferenciadora e muito competitiva”, realçou. A operação em Espanha está a “correr bem”, sendo que a empresa tem “tido sucesso”, apesar da crise, com a sua estratégia de “diferenciação e nicho de mercado” neste país vizinho de Portugal. “A estratégia da Nautilos para a internacionalização da operação em África, caso de Marrocos, Argélia e Moçambique e, em novos mercados, diferencia-se da estratégia para a Europa e para os países mais desenvolvidos”, esclareceu. No continente africano, a estratégia passa pelas “oportunidades ao nível da contratação pública”, com o apoio de instituições internacionais como o Banco Mundial, disse à Lusa Filipa Silva, lembrando ainda que estes países “têm um enorme potencial” e enquadram-se “no apoio [internacional] ao desenvolvimento da educação”. “A Europa não necessita de financiamento externo”, pelo que a estratégia de abordagem é, por isso, diferente, concluiu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.