Explosões na cidade chinesa deTianjin causaram 44 mortos


 

Lusa/AO Online   Internacional   13 de Ago de 2015, 07:48

As explosões num armazém de Tianjin, norte da China, causaram 44 mortos, mais 37 do que foi anunciado inicialmente, disse hoje a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

As explosões ocorreram na quarta-feira à noite, cerca das 23:30 (16:30 em Lisboa), numa zona chamada Binhai New Area.

Num balanço difundido hoje às 11:00 (04:00 em Lisboa), a Xinhua indicou que "pelo menos 17 pessoas morreram e mais de 400 ficaram feridas", e ao princípio da tarde (hora local), o balanço subiu para 44 mortos.

Horas antes, um jornal de Pequim já tinha adiantado que um hospital de Tianjin recebera 40 corpos retirados do local da explosão, mas a informação só agora foi oficialmente confirmada.

Entre os mortos, há 12 bombeiros, disse a Xinhua.

O número de feridos hospitalizados também subiu, para 520, e 66 deles estão em estado grave, revela o balanço mais recente.

Segundo a conta do Centro das Redes de Vigilância dos Sismos da China no Sina Weibo, o Twitter chinês, a magnitude da primeira explosão equivaleu à detonação de três toneladas de TNT, enquanto a segunda teve uma potência equivalente à detonação de 21 toneladas daquele explosivo.

Informações das autoridades locais e relatos de vizinhos citadas por um jornal de Pequim indicam que as explosões destruíram janelas, sacudiram edifícios, levando mesmo à sua evacuação.

A onda de explosões chegou a sentir-se até dez quilómetros de distância.

O Presidente chinês Xi Jinping, e o primeiro-ministro, Li Keqiang, instaram a que sejam envidados "todos os esforços para resgatar as vítimas".

Maior porto do norte da China, situado a 150 quilómetros de Pequim, Tianjin é a sede de um município com cerca de 15 milhões de habitantes.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.