EUA vão acolher refugiados que estão nos centros australianos do Pacífico

EUA vão acolher refugiados que estão nos centros australianos do Pacífico

 

AO/Lusa   Internacional   13 de Nov de 2016, 12:42

Os Estados Unidos vão acolher os refugiados que estão em centros para imigrantes geridos pelo Governo da Austrália em Nauru e Papua Nova Guiné, no Pacífico, informou hoje o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull.

 

O número de refugiados que os EUA vão acolher é desconhecido, embora se calcule que ambos os centros reúnam mais de mil pessoas, entre homens, mulheres e crianças, procedentes de países como o Iraque, Síria ou Somália, escreve a agência espanhola Efe.

“Posso confirmar que o Governo chegou a um acordo de reassentamento com um país terceiro. Este acordo é com os Estados Unidos”, disse Turnbull numa conferência de imprensa em Camberra, com o titular da pasta da Imigração, Peter Dutton, e outros dirigentes ligados à proteção das fronteiras.

“É um acordo único. Não se repetirá. Só vai afetar aqueles que se encontram nos centros regionais de processamento”, afirmou, sublinhando que o reassentamento dos refugiados, na qual será “dada prioridade “às mulheres, crianças e famílias”, será gerido pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Antes, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciou também este acordo a partir da cidade neozelandesa de Wellington, onde se encontra em visita oficial desde sábado.

Kerry sublinhou que a crise dos refugiados é “um assunto premente” e instou todos os países a “trabalharem com o ACNUR” como os EUA estão a fazer para encontrarem uma solução duradoura para a crise destes refugiados.

Segundo a estação australiana ABC, o Governo de Camberra tem estado em conversações com os Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia para o reassentamento de 390 imigrantes em Nauru e dos 872 da ilha de Manus, na Papua Nova Guiné, segundo dados oficiais de 31 de outubro.

A Austrália utiliza desde 2012 os centros de Manus e Nauru para tramitar os pedidos de asilo de imigrantes em situação irregular intercetados no mar em barcos que tentar chegar às suas costas.

No caso de lhes ser reconhecido o estatuto de refugiados, são reassentados em países terceiros.

A ONU e grupos de defesa dos direitos humanos criticaram estes centros de detenção ao qualificarem de "desumanas" as precárias condições em que vivem os detidos.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.