Estudo relaciona aumento do cérebro das crianças com o autismo

Ciência /
cérebro radiografia

716 visualizações   

Um estudo relaciona o aumento do cérebro em crianças com Perturbações do Espectro do Autismo (PEA), mas o momento deste fenómeno, a relação entre a PEA e o aparecimento de alterações comportamentais, é ainda desconhecido.
 

 

A investigação, publicada na edição online da revista Nature, indica que uma análise retrospetiva da circunferência craniana e do volume do cérebro aos quatro anos de idade oferece indicações de que o aumento do volume do cérebro pode surgir mais cedo.

Estudos em crianças de famílias com elevado risco de autismo indicam que as características de défice social associadas à PEA surgem na última parte do primeiro e do segundo ano de vida.

Estas observações sugerem que providenciar imagens do cérebro de crianças com elevado risco familiar de PEA podem identificar mais cedo alterações no volume do cérebro que ocorrem antes do diagnóstico de autismo.

O estudo avaliou imagens neurológicas de 106 crianças com elevado risco familiar de PEA e 42 de baixo risco e identificou uma híper-expansão da superfície cortical entre os seis e os 12 meses de idade que precede um aumento do volume do cérebro observado entre os 12 e os 24 meses em 12 crianças de elevado risco que foram diagnosticadas com autismo aos 24 meses.

O excessivo crescimento do cérebro foi considerado relacionado com a emergência e a severidade dos défices sociais do autismo.

A descoberta demonstra que as alterações precoces do cérebro ocorrem durante o período em que os comportamentos autistas aparecem.