Engenharia e Saúde entre as áreas que aumentam oferta


 

Lusa   Nacional   20 de Jul de 2016, 08:47

Engenharia e Saúde são duas das áreas de estudo que aumentam a oferta de vagas, em 2016, para a primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior, em comparação com 2015, mas a tendência é para a estabilidade.

De acordo com dados da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), hoje divulgados, as variações na oferta de vagas, por área de estudo, é pouco significativa, fixando-se, regra geral, na ordem das dezenas.

É o caso de Engenharia e Técnicas Afins, que tem um aumento de 46 vagas face a 2015, ou da área de Saúde, que disponibiliza mais 60 lugares, em relação ao ano anterior.

Formação de Professores, Ciências Sociais e de Comportamento, Ciências da Vida, Artes e Matemática e Estatística são outros exemplos de áreas de estudo que têm um reforço de vagas para o próximo ano. A área de Serviços Pessoais é aquela que mais cresce, com um aumento de 2.590 vagas, em 2015, para as 2.799, em 2016.

Apesar do aumento de vagas para a área de Engenharia, é a quebra na oferta de lugares em cursos de Engenharia Civil que justifica a quase totalidade da quebra no número de vagas para a área de Arquitetura e Construção, que, das 2.073, passa para 1.972 vagas.

Entre as 101 vagas suprimidas nesta área, 78 foram em cursos de Engenharia Civil. Dez destes cursos, que levam vagas à primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, não tiveram qualquer candidato em 2015, nessa fase do concurso.

A maior quebra na oferta em Engenharia Civil é registada na Universidade de Coimbra, cujo mestrado integrado na Faculdade de Ciências e Tecnologia fechou 45 vagas, abrindo este ano apenas 60.

A quebra na procura por cursos de engenharia tem levantado preocupações nos últimos anos, entre a Ordem dos Engenheiros e as próprias instituições de ensino superior, que temem que o país se venha a ressentir com uma diminuição de diplomados nestas áreas.

Em 2015, no entanto, assistiu-se, na primeira fase, a uma recuperação quer no número de estudantes colocados, quer na procura dos cursos, inclusivamente como primeira opção nas escolhas.

Este ano, entre as áreas que perdem vagas disponíveis face à primeira fase do concurso nacional de acesso de 2015, estão Ciências Empresariais, Direito, Ciências Físicas, Informática e Indústrias Transformadoras.

Numa análise à oferta por distrito ou região autónoma, e numa comparação com o ano anterior, há variações significativas na distribuição de vagas no distrito de Lisboa e de Setúbal, mas que, segundo esclarecimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, se devem a alterações na forma como foram contabilizadas as vagas.

De acordo com os dados, Lisboa passou de 15.025 vagas, em 2015, para 13.970, em 2016, e Setúbal, de 1.184 vagas, em 2015, para 2.294, em 2016.

A diferença de mais de mil vagas em ambos os casos explica-se pelo facto de, em 2015, a DGES ter contabilizado os lugares disponíveis na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, com instalações em Almada, como sendo vagas do distrito de Lisboa, onde se encontra a sede da universidade.

Em 2016, a DGES alterou esta contabilização de vagas como pertencendo ao distrito de Setúbal, onde a faculdade está localizada.

Sobre as vagas disponíveis em 2016, os dados da DGES mostram que este ano há 56 cursos que levam vagas a concurso na primeira fase, que ficaram sem candidatos em 2015, e que totalizam cerca de 1.500 lugares, no ensino superior público.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.