Enfermeira espanhola está melhor e fala com os médicos

Enfermeira espanhola está melhor e fala com os médicos

 

Lusa / AO online   Internacional   11 de Out de 2014, 11:55

A enfermeira espanhola contaminada pelo vírus Ébola está melhor, consciente e fala com os médicos, segundo fonte médica.

 

Segundo a mesma fonte, a enfermeira espanhola Teresa Romero, que luta contra a febre causada pelo vírus Ébola no hospital de Madrid Carlos III, "está melhor que ontem", tendo o seu estado de saúde recuperado durante a noite.

A enfermeira está consciente, fala de vez em quando, quando está de bom humor, afirmou a fonte, pedindo o anonimato. Segundo o jornal El País, a enfermeira está a ser tratada por uma equipa de dez pessoas, dos quais três médicos.

A sua condição "é grave, mas está a melhorar", disse a fonte, detalhando que os médicos aplicaram a Romero o tratamento experimental "ZMapp" na noite de sexta-feira.

Ainda não existe uma vacina ou um tratamento amplamente disponível para o vídus mortal Ébola, mas o "ZMapp" é um dos vários tratamentos, cujo desenvolvimento tem sido acelerado.

Romero foi a primeira pessoa a ser diagnosticada, a 06 de outubro, como tendo sido contagiada com a febre hemorrágica fora de África.

A enfermeira luta agora contra o vírus contraído aparentemente com um missionário que tinha regressado de África e morreu no final de setembro.

Além de Romero, permanecem hospitalizadas outras 16 pessoas, depois de três mulheres terem dado entrada no centro, uma cabeleireira, uma enfermeira e uma trabalhadora de limpeza, todas sem sintomas.

Além do caso confirmado, existe um outro caso em investigação, uma enfermeira cujo primeiro teste deu negativo, mas que aguarda ainda o resultado do segundo teste, realizado 72 horas após, que poderá ser conhecido ainda hoje.

O número de mortos devido ao surto epidémico de Ébola surgido na África Ocidental no final do ano passado ultrapassou os 4.000, segundo o mais recente balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado na sexta-feira em Genebra.

De acordo com os últimos dados da agência especializada das Nações Unidas, que datam de 08 de outubro, registaram-se, no total, 8.399 casos em sete países, de que resultaram 4.033 mortes.

O anterior balanço, com informação de 05 de outubro, dava conta de 8.033 casos, dos quais 3.865 mortais.

Os sete países afetados foram divididos em dois grupos pela OMS, sendo o primeiro constituído pela Guiné-Conacri, a Libéria e a Serra Leoa – os três países mais atingidos – e o segundo pela Nigéria, o Senegal, a Espanha e os Estados Unidos.

No primeiro grupo, a Libéria, o país mais afetado pela epidemia, registou 4.076 casos, dos quais 2.316 resultaram em mortes.

Na Serra Leoa, a OMS contabilizou 2.950 casos e 930 mortes.

Por último, na Guiné-Conacri, onde teve início o surto epidémico, em dezembro de 2013, há 1.350 casos e 778 mortes.

Os profissionais de saúde continuam a ser o grupo populacional mais afetado pela doença nesses países, com 416 casos, de que resultaram 233 mortes.

No segundo grupo, na Nigéria, o número de casos e de mortes manteve-se inalterado, com 20 casos e 8 mortos.

O mais recente balanço da OMS deu conta de uma morte nos Estados Unidos e um caso em Espanha.

No Senegal, manteve-se a contagem, com apenas um caso.

Na República Democrática do Congo, onde foi identificada uma epidemia de Ébola distinta daquela que está a afetar a África Ocidental, a OMS contabilizou 71 casos, 43 dos quais se revelaram mortais, de acordo com um balanço efetuado a 07 de outubro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.