Encontro de lideranças maçonicas em Cascais


 

Lusa/AO On Line   Nacional   19 de Mar de 2010, 05:39

Grande Loja Nacional de Portugal (GLNP) da maçonaria, baseada na divisa "Liberdade, Igualdade, Fraternidade", junta entre hoje e sábado os seus líderes com os das congéneres europeias e africanas para debater "as intervenções a fazer no Mundo".
 O grão-mestre Álvaro Carva disse à agência Lusa que o Encontro de Lideranças Maçónicas, que se realiza pela quarta vez, servirá para juntar os líderes das três estruturas da maçonaria regular tradicional portuguesa: a GLNP, a Grande Loja Unida de Portugal e o Supremo Conselho de Portugal para o Rito Escocês Antigo e Aceite.

Aproveitando a presença em Portugal de delegações da Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa (que estão a discutir o VIH/Sida em Lisboa), estarão presentes no encontro representantes africanos da maçonaria regular tradicional, além de representantes das congéneres europeias da GLNP, num total de "centenas" de representantes das lideranças maçónicas.

Na agenda de discussão estão questões "de ética" e relativas ao "tipo de intervenção no mundo profano" dos maçons, distribuídos por "dois dias incansáveis de trabalho" que servirão também para preparar a delegação portuguesa que estará no encontro das maçonarias regulares tradicionais europeias que se realiza em Roma, em junho próximo.

"Liberdade, Igualdade, Fraternidade" é o mote da maçonaria regular tradicional, de raiz europeia continental, herdado da Revolução Francesa, além de uma característica que a diferencia da maçonaria irregular e da regular insular, de matriz inglesa: o facto de não ter de se ser crente em nenhum deus para se pertencer.

Segundo explicou Álvaro Carva, para ser membro da GLNP, não é preciso aceitar que "o grande arquiteto é Deus", uma vez que a maçonaria regular tradicional vê o grande arquiteto mais como "um espírito" e não se considera "dona da verdade".

"Tudo é simbólico. Não discutimos religião nem política para não nos desunirmos", afirmou, acrescentando que assim se explica que entre os seus membros se encontrem "até budistas".

O encontro, que decorre num hotel em Cascais, inclui encontros com várias "individualidades municipais e parlamentares" e um "jantar ritualístico" hoje à noite. No sábado, o programa está dedicado à discussão de questões internas da GLNP e congéneres.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.