Empresa que prestava serviços à Força Aérea norte-americana despede nove trabalhadores

Empresa que prestava serviços à Força Aérea norte-americana despede nove trabalhadores

 

LUSA/AO online   Regional   30 de Jun de 2017, 16:40

O Sindicato dos Trabalhadores de Atividades Diversas (STAD) lamentou hoje que a empresa de segurança Securitas tenha decidido avançar com um despedimento coletivo de nove trabalhadores que prestavam serviços na base das Lajes

"Entre estes trabalhadores há dois casais. Trabalham na empresa marido e mulher. É uma questão social gravíssima", adiantou, em declarações à Lusa, Pedro Martins, dirigente sindical do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas (STAD).

Segundo o sindicalista, a Força Aérea norte-americana rescindiu contrato com a empresa de segurança, na base das Lajes, na ilha Terceira, mas os trabalhadores poderiam ter sido colocados noutros serviços contratualizados com a Securitas.

"Há outros locais de trabalho em que se podiam colocar estes trabalhadores", salientou, acrescentando que o sindicato se vai reunir no início do próximo mês com a empresa para tentar evitar o despedimento coletivo.

Contactado pela Lusa, Jorge Martins, diretor de recursos humanos da Securitas disse, no entanto, que dada a dimensão da ilha é impossível colocar estes trabalhadores noutras entidades que recorrem aos serviços da empresa.

"Estes trabalhadores vão ter de ser despedidos pelo facto de haver uma cessação de contrato com o governo norte-americano. Não temos colocação na ilha Terceira para aqueles trabalhadores, mas vamos tentar arranjar colocação noutros locais do país", adiantou.

A administração norte-americana anunciou em janeiro de 2015 uma redução de cerca de 500 militares na base das Lajes e o consequente despedimento de 400 trabalhadores portugueses.

Entre 2015 e 2016 abandonaram a infraestrutura militar, na ilha Terceira, cerca de 450 trabalhadores portugueses civis, que assinaram rescisões por mútuo acordo, com direito a indemnização e reforma antecipada.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.