Cansaço das equipas médicas é o principal desafio no terreno

Cansaço das equipas médicas é o principal desafio no terreno

 

AO/Lusa   Internacional   10 de Ago de 2014, 11:12

O cansaço das equipas médicas que estão a tentar combater o vírus Ébola é o principal desafio que as organizações no terreno estão a enfrentar, disse à agência Lusa uma porta-voz a Organização Mundial de Saúde (OMS) em Conacri.

 

“O maior desafio é que os prestadores de cuidados de saúde estão a ficar exaustos. Tem trabalhado durante muito tempo e em condições difíceis”, referiu Nyka Alexander, porta-voz do centro de coordenação da OMS para o combate ao Ébola na sub-região (Giné-Conacri, Serra Leoa e Libéria).

Ao contrário do que já aconteceu noutros surtos, “não tem sido um trabalho curto e rápido, tem sido longo e doloroso e as pessoas precisam de ser apoiadas como nunca antes visto numa epidemia”, acrescentou.

A OMS declarou na sexta-feira que a situação é uma “emergência internacional de saúde pública” e Nyka Alexander espera que isso signifique “que haja ainda mais países prontos a ajudar”.

A epidemia “ainda não começou a abrandar”, verificando-se que nalguns locais “estabiliza”, mas ao mesmo tempo surgem “mais casos” noutros.

“Ainda há pessoas morrer”, realça, sem querer arriscar previsões sobre o evoluir da situação.

Para além da necessidade de reforçar as equipas no terreno, a porta-voz da OMS refere que são necessários outros recursos e financiamento.

“Há novos centros [de tratamento de Ébola] a ser instalados e os trabalhadores locais tem que ser pagos. Há um esforço enorme a fazer e ainda não chegámos lá”, sublinhou.

A aplicação das ajudas deve ter como prioridade “os sítios onde é preciso cortar as cadeias de transmissão” da doença.

Para países que acompanham a epidemia com preocupação, como Portugal, Nyka Alexander sugere que haja uma mobilização “realista” das autoridades e população para tentar fortalecer a frente de ataque na África Ocidental.

“É importante que as pessoas prestem atenção, porque para os que sofrem é determinante saber que não estão esquecidos pelo resto do mundo”, referiu.

Por um lado, são bem-vindas “doações a organizações médicas” e “a quem está no terreno”, por outro, a porta-voz da OMS pede à população que “encoraje o governo [de cada país] a continuar a suportar o sistema das Nações Unidas, que está a ajudar a responder” ao problema.

“Deve-se ser realista, não preocupar com ameaças que não estão à volta, mas sim com as pessoas que enfrentam a doença diretamente”, concluiu.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.