EasyJet prepara-se para instalar detector de cinzas vulcânicas nos aviões

EasyJet prepara-se para instalar detector de cinzas vulcânicas nos aviões

 

Lusa/AO Online   Internacional   7 de Jun de 2010, 11:22

A companhia aérea easyJet prepara-se para instalar nos aviões um detetor de nuvens de cinzas vulcânicas, que permitirá aos pilotos ajustarem a rota em pleno voo, revelou hoje o diretor-geral da empresa.

“Todos os aviões da frota serão equipados com esta tecnologia”, garantiu Juanjo Duran, responsável da empresa para Portugal, Espanha e norte de África, adiantando que o primeiro teste será feito num Airbus 340, possivelmente daqui a dois meses.

Em declarações à Lusa, Juanjo Duran explicou que a ideia de conceber um dispositivo que permitisse detetar nuvens de cinzas vulcânicas em pleno voo surgiu em abril passado, altura em que o vulcão islandês localizado no glaciar Eyjafjallajokull entrou em actividade, lançando para a atmosfera uma imensa pluma de cinzas.

Na sequência do sucedido, dezenas de países foram forçados a cancelar os voos programados, durante sucessivos dias, o que criou perturbações no tráfego aéreo apenas comparáveis às que se registaram em 2001, na sequência dos atentados terroristas de 11 de setembro, além de avultados prejuízos.

“Tencionamos partilhar esta tecnologia com outras companhias”, revelou o diretor-geral da easyJet, dizendo que os contactos estão “agora a ser iniciados”.

“Fazemos isto, não por qualquer benefício económico, mas para permitir que as pessoas possam voar quando queiram”, acrescentou.

O radar tecnológico que em breve será testado foi batizado de AVOID (Airborne Volcanic Object Identifier and Detector), sendo essencialmente um radar meteorológico que envolve a colocação de infra-vermelhos nos aviões, para que sejam fornecidas imagens aos pilotos e ao centro de controlo de aviação.

“Essas imagens irão permitir aos pilotos ver uma nuvem de cinzas vulcânicas que esteja localizada até 100 km à frente do avião e a altitudes entre cinco mil e 50 mil pés. Isto irá permitir aos pilotos fazer ajustes no plano de voo”, argumenta, por sua vez, a companhia aérea, através de um comunicado.

O investigador Fred Prata, do Norwegian Institute for Air Research, é o inventor do AVOID, cuja instalação inicial e desenvolvimento deverá representar um investimento superior a um milhão de euros para a easyJet.

A easyJet é a maior companhia área do Reino Unido e a quarta maior da Europa, em termos de transporte de passageiros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.