«E-mail» de Benazir responsabilizava antecipadamente Musharraf

«E-mail» de Benazir responsabilizava antecipadamente Musharraf

 

Lusa/AO   Internacional   28 de Dez de 2007, 05:08

O Governo paquistanês "não está ao corrente de ligações da Al-Qaida" ao atentado que vitimou na quinta-feira a antiga primeira-ministra Benazir Bhutto, declarou hoje Ministério do Interior em Islamabad.

O comentário foi feito por um porta-voz do Ministário do Interior, em reacção a uma notícia hoje divulgada pela televisão privada paquistanesa ARY, segundo a qual a Al-Qaida reivindicou o atentado bombista que vitimou Benazir Bhutto.


A antiga primeira-ministra paquistanesa, assassinada na quinta-feira em Rawalpindi, tinha acusado o Presidente Pervez Musharraf de lhe recusar protecção adequada desde o seu regresso ao Paquistão, indica um "e-mail" divulgado nos EUA.

"Se alguma coisa me acontecer no Paquistão, responsabilizarei Musharraf", tinha escrito a líder da oposição paquistanesa num "e-mail" enviado ao seu porta-voz norte-americano, Mark Siegel e revelado pela CNN.

    "Os seus homens de mão fazem-me sentir em perigo", escreveu, enumerando as medidas de segurança que havia pedido e que não lhe foram concedidas pelo Presidente paquistanês.

    "É impossível que a proibição de utilizar viaturas privadas ou com vidros fumados ou uma escolta de quatro viaturas da polícia para me proteger de todos os lados possa ser decretada sem o seu acordo", acrescentou na mensagem escrita a 26 de Outubro, uma semana depois do atentado sangrento de que havia escapado, horas depois de chegar ao Paquistão.

    Benazir Bhutto pediu a Mark Siegel que divulgasse a mensagem se ela fosse assassinada.

    "Quando nos preparávamos para a campanha [para as eleições legislativas de 8 de Janeiro] Bhutto estava muito intranquila por não receber a segurança que tinha solicitado", disse Siegel à CNN.

    "Ela apenas tinha pedido aquilo a que tinha direito como antiga primeira-ministra. Tudo lhe foi recusado", acrescentou. "Só lhe ofereceram uma protecção policial esporádica e inconsistente."

    O embaixador do Paquistão nos Estados Unidos, Mahmud Ali Durrami, recusou estas afirmações. "O Governo do Paquistão forneceu toda a segurança necessária", assegurou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.