Dois sul-africanos brancos culpados de tentar fechar negro vivo em caixão

Dois sul-africanos brancos culpados de tentar fechar negro vivo em caixão

 

Lusa/AO online   Internacional   25 de Ago de 2017, 18:47

Dois fazendeiros brancos sul-africanos foram hoje condenados por trancarem um negro vivo num caixão, numa sessão de tortura filmada, um caso ilustrador da persistência do racismo na África do Sul, 23 anos após o fim do apartheid.

"Declaro os dois acusados culpados de tentativa de homicídio", declarou a juíza Segopotje Mphahlele, que condenou igualmente os fazendeiros Willem Oosthuizen e Theo Martins Jackson por sequestro, agressão e intimidação.

Os dois homens, de 20 anos, ameaçaram deitar gasolina e pôr uma serpente no caixão dentro do qual se debatia a sua vítima negra, Victor Mlotshwa, em pânico.

O veredito foi recebido com cânticos na sala de audiências cheia do tribunal de Middelburg, na província rural sul-africana de Mpumalanga, no nordeste do país.

A sentença dos dois agricultores -- que compareceram no julgamento de fato e gravata, uma indumentária que contrastou com os jeans sujos com terra da primeira sessão -- será conhecida a 23 de outubro.

Willem Oosthuizen e Theo Martins Jackson tinham-se declarado inocentes e aguardaram o julgamento em liberdade, depois de terem pago uma fiança em julho.

Hoje, a juíza prolongou a liberdade condicional de ambos até ao anúncio das respetivas penas.

Os factos de que foram considerados culpados remontam ao ano passado, mas o caso só se tornou público vários meses depois, na sequência da difusão via Internet de um primeiro vídeo mostrando o calvário infligido a Victor Mlotshwa.

No curto filme de 20 segundos, o jovem negro de 27 anos está deitado dentro de um caixão novo, pousado num piso com pedras e pó. Um dos agricultores tenta fechar o caixão, enquanto a vítima geme e tenta a todo o custo impedi-lo.

Um segundo vídeo igualmente aterrador foi mostrado durante o julgamento.

"Por favor, não me matem", suplica o jovem.

"Porque não, quando vocês estão a matar as nossas fazendas?", responde-lhe um dos agressores.

Victor Mlotshwa declarou que ia a Middelburg fazer compras para a mãe e cortou caminho pelo meio dos campos quando foi agredido.

Os dois agricultores afirmaram ter apenas querido assustar a vítima que tinham, segundo eles, apanhado a roubar fio de cobre.

Quase um quarto de século após o fim oficial do regime segregacionista do apartheid na África do Sul, os ataques racistas continuam a envenenar as relações entre a maioria negra e os brancos, em particular nas zonas rurais.

A persistência das desigualdades económicas entre negros e brancos torna a liberdade amarga na jovem democracia sul-africana.

Segundo as estatísticas oficiais, 30,1% da maioria negra está no desemprego, contra apenas 6,6% dos brancos.

E o salário médio mensal dos negros é de 2.800 rands (180 euros), em contraste com o de 10.000 rands (642 euros) dos brancos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.