Doentes ostomizados dos Açores são discriminados

Doentes ostomizados dos Açores são discriminados

 

Lusa/AO online   Regional   26 de Set de 2017, 18:03

A Europacolon Portugal - Apoio ao Doente com Cancro Digestivo disse que os doentes ostomizados dos Açores são discriminados ao nível do tratamento e acompanhamento, referindo que estes "têm estado sem acesso aos dispositivos adequados".

Num comunicado enviado à agência Lusa, esta instituição particular de solidariedade social afirma que os doentes do arquipélago "são obrigados a utilizar apenas um determinado modelo, referência e marca (iguais para todos os doentes), com os inconvenientes diários que tal situação acarreta".

"Ao contrário da portaria governamental, que define uma lista de produtos por grupo e a possibilidade de os médicos poderem prescrever por marca e modelo, o Decreto Regulamentar Regional dos Açores n.º 13/2015/A de 12 de agosto cria uma 'lista de produtos de apoio'", publicada em despacho.

Segundo a Europacolon Portugal, este especifica que "os produtos de apoio prescritos em consulta de unidade de saúde de ilha, de hospital, EPER, do Serviço Regional de Saúde ou de centro de referência, para utilização em ambulatório, são os constantes de lista aprovada por despacho" e não outros.

Para esta instituição, esta situação veda "o acesso do doente ao dispositivo mais indicado para si".

"O decreto regulamentar regional e o posterior despacho contrariam, portanto, a portaria que define claramente que 'a regra será a prescrição por marca e modelo do dispositivo pretendido'".

Citado no comunicado, o presidente da Europacolon, Vítor Neves, sublinha a "importância de cumprir com esta medida".

"O Ministério da Saúde, na Portaria 92-F/2017 de 03 de março, refere que também é conhecido que cada paciente, pela sua fisiologia, pelo tipo e dimensão do estoma (um orifício no abdómen ou na traqueia, que permite a comunicação com o exterior), bem como outros aspetos, deverá utilizar dispositivos prescritos pelo médico que sejam mais eficazes e que menos danos provoquem à pele", esclarece o comunicado.

A Europacolon sustenta que "todos os portugueses, no continente, dirigem-se às farmácias e, com a prescrição, levantam os produtos da marca e referência prescritas, o que nos Açores não acontece".

À Lusa, Vítor Neves informou que esta situação foi denunciada à instituição por um docente que foi colocado nos Açores e levou o pai, doente ostomizado, de quem é único cuidador.

"Dirigiu-se ao centro de saúde e farmácia e foi-lhe comunicado de que só havia uma referência para placa e saco. Face à situação, que não era adequada para o pai, contactou a Europacolon e, com a família, conseguiu-se agilizar uma forma de serem enviados do continente os dispositivos necessários e adequados, pagando o utente os custos de transporte", referiu o responsável.

No mesmo comunicado, a instituição refere que "os cuidadores dos pacientes apontam lacunas graves no conhecimento dos profissionais de enfermagem, relativamente a esta área de atuação, e identificam a necessidade de formação especializada", tendo a Europacolon anunciado que se disponibiliza "a promover formação técnica gratuita" aos profissionais de saúde da região.

Vítor Neves diz mesmo que "a falta de formação é aterradora", frisando que esta matéria causa "danos físicos e morais aos doentes e respetivas familiares", daí a "sensibilidade que deve haver nesta área".

A Europacolon Portugal foi criada em 2006, no Porto, para contribuir para a diminuição do número de mortes do cancro do intestino e dar apoio aos pacientes e familiares.

A Lusa contactou a Secretaria Regional da Saúde dos Açores, mas não obteve qualquer explicação.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.