Docentes nos Açores cantam aos Reis reivindicando mais concursos

Docentes nos Açores cantam aos Reis reivindicando mais concursos

 

Lusa/AO Online   Regional   6 de Jan de 2016, 18:53

Cerca de duas dezenas de professores apelaram hoje ao Governo Regional dos Açores para que altere a periodicidade dos concursos de integração no quadro, cantando aos Reis, com quadras dirigidas ao secretário regional da Educação

"Aproveitámos para incluir algumas reivindicações, nomeadamente a questão da abertura de um processo negocial para alterar o diploma de concursos, porque quando o diploma de concursos foi alterado, em 2012, foi também alterada a periodicidade, ou seja, os concursos passaram de um para quatro anos", frisou, em declarações aos jornalistas, António Lucas, presidente do Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA).

Os docentes, que chegaram acompanhados por músicos, foram recebidos pela diretora regional da Educação, Fabíola Cardoso, a quem cantaram quadras como: "Viemos cumprimentar/E abrir um processo negocial/As vagas têm de aumentar/E o concurso anual".

O sindicato entregou ainda a letra das cantigas e um postal de Boas Festas à diretora regional, que destacou a "criatividade" dos docentes.

Em declarações aos jornalistas, à margem do encontro, António Lucas lembrou que o SPRA já se tinha manifestado contra a redução da periodicidade do concurso, em 2012, voltando a insistir neste tema, no ano em que se realiza o último concurso, antes de um interregno de quatro anos.

"A não realização de concursos para os professores entrarem no quadro, por um período de quatro anos, é a manutenção das pessoas em precariedade, em ciclos de quatro anos", frisou.

Este ano letivo, foram contratados 800 docentes e o Sindicato dos Professores da Região Açores considera que pelo menos duas centenas deveriam ser integradas nos quadros.

"Esse número é difícil apurar apenas com os dados que nós temos, mas nós estamos convictos que neste momento temos cerca de 200 professores a suprir necessidades permanentes do sistema", salientou António Lucas.

Segundo o sindicalista, nos últimos quatro anos a alteração da periodicidade do concurso não foi sentida, porque foram anunciados três concursos extraordinários, entre 2014 e 2016, para integrar cerca de 300 professores.

Nesse sentido, deverão abrir cerca de 100 vagas extraordinárias para a integração nos quadros das escolas açorianos, em 2016, para além do concurso normal, cujo número de vagas ainda não é conhecido.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.