Papa Francisco defende mais participação da Igreja católica na política

Papa Francisco defende mais participação da Igreja católica na política

 

Lusa/AO Online   Internacional   3 de Jun de 2016, 19:45

O papa Francisco afirmou hoje que a Igreja católica está chamada a comprometer-se" na sociedade, pelo que também se deve envolver-se na "alta política".

Falando num congresso de juízes e advogados no Vaticano, o líder religioso considerou que a Igreja deve rejeitar os cânones que separam a religião da política.

No seu discurso, Francisco citou um dos seus antecessores, Paulo VI, que definiu a política como “uma das formas mais elevadas de amor, de caridade”.

No congresso, organizado pela Pontifícia Academia das Ciências Sociais e que juntou cerca de 150 juízes e advogados, o papa reafirmou a posição da Igreja contra a pena de morte, provocando uma salva de palmas na plateia.

Na mesma ocasião, Francisco apelou aos juízes e advogados para “não caírem na teia da corrupção” e rejeitarem as pressões governamentais ou de entidades privadas, evitando qualquer associação a “estruturas de pecado”, como classificou a máfia ou o crime organizado.

Para o líder da Igreja católica, sem liberdade de exercício, “o poder judicial de uma nação fica corrompido e semeia corrupção”.

Francisco recordou também a sua própria experiência com o mundo da justiça, evocando o trabalho feito no passado nas prisões.

No que respeita ao sistema penal, o papa argentino disse que as prisões dirigidas por mulheres “estão melhores” do que as administradas por homens.

“A mulher tem um olfato e um tato especial” no que diz respeito a esta matéria. “Sem gastar energias, (a mulher) muda e recoloca as pessoas”, disse o papa Francisco no congresso que juntou cerca de 150 participantes.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.