Diligências judiciais na casa de Ricardo Salgado já terminaram

Diligências judiciais na casa de Ricardo Salgado já terminaram

 

Lusa/AO online   Nacional   27 de Nov de 2014, 16:29

As diligências judiciais na casa do antigo administrador do BES Ricardo Salgado, em Cascais, no âmbito do chamado "universo Espírito Santo", já terminaram, segundo o advogado Francisco Proença de Carvalho.

O advogado de Ricardo Salgado saiu da casa do ex-administrador do Banco Espírito Santo pelas 17:30 (hora local), indicando aos jornalistas que as diligências dos investigadores, que começaram de manhã, já tinham terminado, justificando com o segredo de justiça o facto de não dar pormenores sobre a investigação.

Pediu também que fosse respeitada a privacidade do seu cliente, e disse que, nesta fase, os jornalistas sabiam sempre mais que os advogados.

A Procuradoria-Geral da República indicou que as diligências que decorrem no âmbito de um processo-crime “do universo Espírito Santo” têm por base suspeitas de burla qualificada, abuso de confiança, falsificação de documentos, branqueamento e fraude fiscal.

“Nas investigações, relacionadas com o denominado universo Espírito Santo, estão em causa suspeitas dos crimes de burla qualificada, abuso de confiança, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e fraude fiscal”, refere uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A PGR adianta que, no âmbito de investigações, dirigidas pelo Ministério Público, realizam-se durante o dia de hoje várias diligências, designadamente 34 buscas domiciliárias, uma a um advogado e seis buscas a entidades relacionadas com o exercício da atividade financeira.

Segundo a PGR, participam nas buscas 14 magistrados do MP, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, dois peritos do DIAP e duas centenas de elementos da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ e da Autoridade Tributária (AT), entidades que coadjuvam o MP.

Nestas investigações, que se encontram em segredo de justiça, o Ministério Público conta também com a colaboração do Banco de Portugal e da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), refere ainda a nota da PGR.

Após rebentar o chamado caso BES, a PGR criou uma equipa especial para investigar as alegadas irregularidades e os ilícitos criminais na gestão daquele banco, sendo a equipa multidisciplinar constituída por magistrados do DCIAP, elementos da Autoridade Tributária, da PJ e dos reguladores - CMVM e Banco de Portugal.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.