Deputado do PPM/Açores vai doar obra completa de Pablo Neruda ao Governo Regional

Deputado do PPM/Açores vai doar obra completa de Pablo Neruda ao Governo Regional

 

LUSA/AO online   Regional   13 de Jun de 2017, 14:41

O deputado do PPM/Açores, Paulo Estevão, anunciou hoje que vai doar a obra completa de Pablo Neruda ao Governo Regional para valorizar o roteiro cultural sobre Carlos Nascimento, natural do Corvo e primeiro editor do poeta chileno

"Para evitar que o projeto morra, anuncio que vou adquirir a expensas próprias (até ao final da presente legislatura) a obra completa de Pablo Neruda e doá-la ao Governo Regional, no sentido de a mesma integrar e valorizar o Roteiro Cultural de Carlos Nascimento. Espero, com este exemplo, dar um novo impulso à efetiva valorização da ilha do Corvo no âmbito da cultura e do reconhecimento de personalidades ligadas, de uma forma ou de outra, à História do Corvo”, frisou, num comunicado de imprensa.

O anúncio de Paulo Estêvão, eleito pelo círculo eleitoral do Corvo e único deputado do PPM à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, surge um dia depois de o Governo Regional (PS) ter dito que não se justificava, num horizonte próximo, a aquisição da casa onde nasceu Carlos Nascimento, na ilha do Corvo, numa resposta a um requerimento do parlamentar monárquico.

Paulo Estêvão acusa o Governo Regional de tentar “matar por inação” o roteiro cultural sobre Carlos Nascimento, criado na sequência de um projeto de resolução apresentado pelo PPM, em 2015.

“O Parlamento dos Açores – e também o Governo dos Açores numa fase inicial – pretendiam que o Roteiro Cultural Carlos Nascimento adquirisse uma dimensão material que permitisse transformá-lo numa referência cultural e num motivo de interesse turístico para quem visita a ilha do Corvo. Nomeadamente através da aquisição da casa de Carlos Nascimento na ilha do Corvo e da aquisição de um espólio relevante da Editorial Nascimento, editora que teve um papel muito relevante no âmbito da divulgação literária na América do Sul”, salientou.

Segundo o deputado do PPM, chegou a ser discutida, em 2015, a aquisição de todas as obras de Pablo Neruda e Gabriela Mistral, autores editados por Carlos Nascimento, no sentido de se criar uma pequena biblioteca especializada no Corvo, atraindo à ilha visitantes com interesse cultural específico na literatura.

No entanto, o Governo Regional alega que o compromisso assumido foi o de individualizar a casa onde nasceu Carlos Nascimento.

“Tal será feito, entre outras ações, e além do roteiro já elaborado, através de sinalização física e de referência nas museografias em execução para os diferentes polos do Ecomuseu”, salientou, em resposta ao requerimento do deputado monárquico.

Carlos Nascimento, que nasceu em 1885, abandonou a ilha do Corvo ainda jovem, acabando por se transformar numa referência das letras chilenas do século XX.

Chegou ao Chile em busca de um tio, João Nascimento, dono da livraria Nascimento, espaço que mais tarde herdou e usou como rampa de lançamento da sua editora, que viria a publicar as primeiras obras do Nobel da Literatura de 1971, Pablo Neruda, nomeadamente a edição original de "Vinte poemas de amor e uma canção desesperada", publicada em 1924.

A relação entre Carlos Nascimento e Pablo Neruda foi mais do que profissional e prolongou-se “por muitos anos”, desde a juventude do poeta até à morte do editor, em Santiago do Chile, em 1966, segundo disse anteriormente à Lusa uma das netas do corvino, Leonor Nascimento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.